segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Dessa vez, o Itau, em seu balanço publicado hoje, não incluiu revisões de projeções de crédito e provisões.....mesmo com queda de cerca de 11% em sua carteira de crédito

O Itau, em seu balanço publicado hoje, não incluiu revisões de projeções de crédito e provisões.....mesmo com queda de cerca de 11% em sua carteira de crédito

Sim....abaixo, o quadro publicado no balanço do seu segundo trimestre..

Aqui, o link: https://www.itau.com.br/_arquivosestaticos/RI/pdf/pt/IRR300616_pt.pdf?title=Análise%20Gerencial%20da%20Operação%20e%20Demonstrações%20Contábeis%20Completas%20(BRGAAP)%20-%202T2016






Hoje, em seu balanço publicado do terceiro trimestre, o Itau apenas se reserva o direito de, no mesmo quadro, indicar as projeções anteriores







Ressalta-se que nesse terceiro trimestre de 2016, houve uma queda de cerca de 11% em sua carteira de crédito em relação ao terceiro trimestre de 2015, e de 0,6% em relação ao segundo trimestre desse ano

Vejam no quadro abaixo.....








Os caras estão partindo com tudo pra cima do "ato final"....66.000.....67.000...68...69.000.....7 a 1....Gol da Alemanha

Os caras estão partindo com tudo pra cima do "ato final"....66.000.....67.000...68...69.000.....7 a 1....Gol da Alemanha









"No "triângulo das Bermudas" (SP-RIO-BH), a direita-liberal-conservadora avança ! Uma guinada histórica !",por Cesar Maia

Bom o artigo publicado hoje pelo Ex-Prefeito do Rio de Janeiro,  Cesar Maia, em seu "ex-blog" e site

Vamos a ele:

http://www.cesarmaia.com.br/2016/10/31/31-de-outubro-de-2016/

31 de outubro de 2016


NO "TRIÂNGULO DAS BERMUDAS" (SP-RIO-BH), A DIREITA -LIBERAL CONSERVADORA- AVANÇA!   UMA GUINADA HISTÓRICA!
      
1. O "TRIÂNGULO DAS BERMUDAS" ganhou este nome pela expressão política e eleitoral mais que proporcional desses 3 Estados que representam 45% do eleitorado brasileiro. E, claro, o peso político das suas capitais.
     
2. Analistas explicam a inversão de 1964 pela presença de 3 governadores de Direita - Adhemar de Barros, Carlos Lacerda e Magalhães Pinto. Analistas explicam também a reversão em direção à democracia em 1985 pela presença dos governadores Franco Montoro, Leonel Brizola e Tancredo Neves.
     
3. Nas 3 Capitais -S. Paulo, Rio e Belo Horizonte- desde a volta das eleições diretas nas Capitais em 1985 que o " Triangulo das Bermudas" pende para a esquerda a cada eleição, inclusive levando em conta o perfil político- ideológico do prefeito eleito dentro de seus partidos. São 9 eleições diretas entre 1985 e 2016.
      
4. Apenas agora -depois dessas 9 eleições- em 2016, esse perfil político-ideológico muda, e de forma flagrante, com uma forte guinada à direita. Em S.Paulo um prefeito de esquerda dá lugar a um prefeito abertamente liberal, Doria, que é antípoda a qualquer tipo de perfil socialdemocrata de seu partido.
      
5. Na cidade do Rio de Janeiro, o prefeito liberal atual dá lugar a Crivella, abertamente conservador-liberal. Conservador aberto nos valores e liberal aberto nas posições que defendeu no primeiro e no segundo turnos, de parcerias com o setor privado na educação e na saúde e de privatizações.
      
6. E no último vértice do Triângulo das Bermudas, Belo Horizonte, da mesma maneira, o prefeito socialdemocrata dá lugar a Khalil, um candidato abertamente liberal-conservador.
      
7. Como o Triângulo é equilátero, a intensidade das novas Arestas impulsiona, claramente, em direção à Direita um eixo político historicamente decisivo. Isso terá uma forte influência em 2018.
       
8. O resultado eleitoral no Triângulo das Bermudas é a informação política mais eloquente, mais relevante desses eleições municipais de 2016.
      
9. Uma porcentagem que cabe destacar. O Não Voto (abstenção+nulos+brancos) na cidade do Rio de Janeiro praticamente atingiu 50% dos eleitores.








GGBR4 e a LTB de 6 anos passando ali na faixa de 11,75

GGBR4 e a LTB de 6 anos passando ali na faixa de 11,75

GGBR4, semanal, escala logarítmica





"PT saudações", por Vera Magalhães, no jornal "O Estado de São Paulo" hoje

Excelente artigo publicado hoje pela jornalista Vera Magalhães no Jornal "O Estado de São Paulo"

http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,pt-saudacoes,10000085536

PT saudações

Derrota do partido é tão avassaladora que não permite nenhuma leitura atenuante
Vera Magalhães

31 Outubro 2016 | 03h00

Se alguém ainda acreditava na possibilidade de Luiz Inácio Lula da Silva ser candidato novamente à Presidência da República em 2018, mesmo depois da Lava Jato e do impeachment de Dilma Rousseff, o eleitor brasileiro tratou de dizer de forma clara e cristalina: não vai acontecer.

A derrota do PT é tão avassaladora que não permite nenhuma leitura atenuante. Não se salvou nada nem ninguém no partido. Mesmo o rosário da renovação da sigla, que começou a ser desfiado por Tarso Genro e outros, não sobrevive a uma constatação dura: não há candidatos aptos à tarefa.
O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, citado como opção na terra de cegos que virou o partido, não quer assumir a missão nem seria um nome com trânsito suficiente para desbancar os caciques de sempre e enterrar de vez o lulismo – do qual, diga-se, foi um dos últimos produtos exitosos.
Sim, porque a única remota chance de o PT se reerguer seria enterrar o lulismo, mas o partido há muito tempo fez a opção oposta, a de se enterrar se for preciso para defender Lula, em uma simbiose que as urnas acabam de rechaçar de maneira fragorosa.

Tanto que o partido não consegue pensar em uma alternativa para 2018 que não seja seu “comandante máximo”, para usar a designação que a Lava Jato deu ao ex-presidente.
A insistência na tese de que Lula é vítima de perseguição – com lances patéticos como queixa à ONU e manifestações internacionais bancadas por “sindicatos” que nada mais são que versões da CUT para gringo ver – mostra que o PT decidiu atrelar seu destino ao do ex-presidente.
Dilma já parece ter sido esquecida pelos petistas na mesma velocidade com que o foi pelos brasileiros. Tanto que, com exceção de Jandira Feghali, ninguém se lembrou dela nas eleições municipais.
A presidente cassada tem sido vista fazendo compras tranquilamente no Rio, em um sinal inequívoco de que o discurso de que houve um golpe era uma fantasia, a única saída para um partido que perdeu o poder porque já não tinha condições de governar nem apoio popular, como o resultado das eleições tratou de deixar evidente.

É essa reflexão que o PT terá de fazer se quiser se refundar. Isso pressupõe admitir que patrocinou um esquema de corrupção cuja dimensão ainda está por ser inteiramente conhecida. Admitir que levou a economia do País à maior recessão da história. Que perdeu a governabilidade antes de Dilma perder a cadeira. E que Lula não é uma vítima de uma perseguição implacável que envolve Judiciário, imprensa, Ministério Público e sabe-se lá mais quem.

Quais as chances de o partido fazer isso seriamente? Remotas, para não dizer inexistentes.
Do outro lado do pêndulo político, o PSDB sai do pleito municipal como o grande vencedor mais por memória do eleitorado de décadas de polarização com o PT do que por força própria. Mas o fim dessa alternância, pelo simples fato de que um dos polos se esfacelou, também obrigará os tucanos a reverem sua estratégia para voltar a ter chance de governar o País.

Isso significa trocar as disputas de bastidores entre caciques para ver quem será o candidato da vez, uma constante desde a sucessão de Fernando Henrique Cardoso, por alguma nitidez programática capaz de mostrar ao eleitorado que o partido tem um projeto para tirar o País do buraco.
A pulverização de votos por uma miríade de siglas mostra que o eleitor, embora ainda enxergue no PSDB e PMDB as alternativas mais seguras à ruína petista, começa a procurar opções.

A negação da política é uma das marcas indeléveis de 2016. O único político de expressão nacional que saiu vitorioso, Geraldo Alckmin, acertou ao perceber o Zeitgeist e apostar em um candidato em São Paulo com o discurso da não política. Em escala nacional, no entanto, o País já viu o estrago que a eleição de um outsider pode provocar. Com Fernando Collor, antes. E com Dilma depois.após 16 anos de administrações do PT na cidade.




É....A vida não está fácil nem para os bancos......"Lucro do Itaú Unibanco cai para R$ 5,394 bilhões no 3º trimestre de 2016.....Índice de inadimplência da carteira acima de 90 dias subiu a 3,9%." por Portal G1

É....A vida não está fácil nem para os bancos......

Vamos a matéria publicada agora há pouco pelo portal G1, logo após a publicação do balanço do Banco Itau, maior banco brasileiro

http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2016/10/lucro-do-itau-unibanco-cai-para-r-5394-bilhoes-no-3-trimestre-de-2016.html


31/10/2016 07h15 - Atualizado em 31/10/2016 08h25
Lucro do Itaú Unibanco cai para R$ 5,394 bilhões no 3º trimestre de 2016
No mesmo trimestre de 2015, lucro havia chegado a R$ 5,945 bilhões.
Índice de inadimplência da carteira acima de 90 dias subiu a 3,9%.
Do G1, em São Paulo

O Itaú Unibanco anunciou nesta segunda-feira (31) que registrou lucro líquido de R$ 5,394 bilhões no terceiro trimestre de 2016, depois de atingir R$ 5,518 bilhões no trimestre anterior: uma queda de 2,2%.  No mesmo período de 2015, os ganhos haviam atingido R$ 5,945 bilhões, uma baixa de 9,2%.
O índice de inadimplência da carteira acima de 90 dias subiu a 3,9%, de 3,6% um trimestre antes e 3% de igual etapa de 2015.
O maior banco privado do país informou também que seu retorno recorrente sobre o patrimônio líquido anualizado foi de 19,9% de julho a setembro, queda ante os 20,6% do trimestre anterior e dos 24,1% de um ano antes.




domingo, 30 de outubro de 2016

"Dólar x Real".....tempo diário e tempo semanal...e suas divergências altistas de IFR14 e MACD, assim como LTA's e LTB's

"Dólar x Real".....tempo diário e tempo semanal...e suas divergências altistas de IFR14 e MACD, assim como LTA's e LTB's

"Dólar x Real".....tempo diário, escala logarítmica



"Dólar x Real".....tempo semanal, escala logarítmica, período 8 anos









Índice "BZQ", o "Hedge do Bovespa operado pelos estrangeiros", no tempo diário com sua LTB de 9 meses

Índice "BZQ", o "Hedge do Bovespa operado pelos estrangeiros", no tempo diário com sua LTB de 9 meses


Índice "BZQ", diário, escala logarítmica










sábado, 29 de outubro de 2016

Sabem em que nível está a volatilidade implícita da VALE5 ? 55% para as opções put (venda) com preço de exercicio de 18,00 em 21-11.2016.......não me lembro, nos últimos 10 anos, de tal nível de volatilidade implícita em nenhuma opção de venda

Sabem em que nível está a volatilidade implícita da VALE5 ? 

55% para as opções put (venda) com preço de exercicio de 18,00 em 21-11.2016.......

Não me lembro, nos últimos 10 anos, de tal nível de volatilidade implícita em nenhuma opção de venda.

Isso é absolutamente surreal.......

Isso lembra uma seguinte situação.....

Nos últimos 30-40 dias começaram especulações sobre a dinâmica do Dow Jones de hoje em comparação com o crash de 1987...

No geral, não gosto muito dessas comparações.....pois "vemos o que queremos ver"

Mas, a "minha preocupação" é com a LTA bizarra do Bovespa em curso...

Se ela for perdida, o passado mostra que LTA's bizarras perdidas provocam um estrago no curto prazo.

Lá no Dow Jones, tem-se um pivot importante....a faixa de 2.120 para o SP500

A faixa de 18.000 do Dow Jones é um pouco mais confusa com a de 18.280-18.300

Mas, coloquemos a faixa de 18.000 como fundamental.

E é o que vemos hoje.....um suporte de 18.000 no Dow Jones batido algumas vezes nos últimos 30 dias....no SP500, o suporte de 2.120....

recolocarei aqui depois dos gráficos comparativos do Dow Jones "hoje" e do "Crash de 1987"

E se o Dow Jones perder a faixa de 18.000 junto com a perda da LTA do Bovespa ?

Por isso essa volatilidade implícita nas "opções de venda" da VALE5 ?

Lembrem que nos últimos 15 anos, como destaquei aqui ontem, não vi a VALE5 distanciar no tempo diário 64% da sua Média Móvel Simples de 200 períodos

Vamos a comparação do Dow Jones "hoje" e do "Crash de 1987", crédito "Business Insider"...a imagem é do início de outubro desse ano, quando a faixa de 18.000 tornou-se muito forte





Dow Jones "hoje", tempo diário








O que eu acho ? Vários papéis não voltarão mais pro fundo de 2016.....vários....mas o mercado começa a repensar alguns mitos...ícones "imbatíveis" como Ambev e bancos.....agora, é mostrar aos algoritmos como encontrar a equação que fará com que o Bovespa caia 50% diante disso tudo

O que eu acho ?

Vários papéis não voltarão mais pro fundo de 2016.....vários....

Mas o mercado começa a repensar alguns mitos...ícones "imbatíveis" como Ambev e bancos.....

Agora, é mostrar aos algoritmos como encontrar a equação que fará com que o Bovespa caia 50% diante disso tudo

É um pouco mais complexo do que isso....

Na verdade, muito mais......

Tem algumas variáveis-chaves, me parece..........

dólar.....juros internacionais.....e, principalmente bolhas a estourar mundo afora....

Em algum momento, tudo isso vai se misturar.....

O momento em que isso tudo se mistura, me parece olhar para volatilidade......ou a "não volatilidade"












Agora, vamos ver o que o mercado fez ao longo do "reme reme" de 2 meses do Dow Jones visto no post anterior ....gerenciaram 2 dos 3 principais papéis do Dow Jones de forma distinta...IBM e Goldman Sachs

Agora, vamos ver o que o mercado fez ao longo do "reme reme" de 2 meses do Dow Jones visto no post anterior ....

Gerenciaram 2 dos 3 principais papéis do Dow Jones de forma distinta...IBM e Goldman Sachs

Vejam que no caso da IBM, o mercado a levou para topos e fundos descendentes.....falta ainda tocar mais uma vez numa LTB

Por outro lado, levaram o Goldman para topos e fundos ascendentes, visto no retângulo dos 2 últimos meses abaixo.......depois da queda forte de meses anteriores......

IBM, Diário, escala logarítmica



Goldman Sachs, Diário, escala logarítmica








Dow Jones e SP500 parecem confusos no diário e no "reme reme" ?...não se olharmos o tempo horário

Dow Jones e SP500 parecem confusos no diário e no "reme reme"?...não se olharmos o tempo horário

Vejam que no diário pode parecer uma congestão......mas, se olharmos o tempo horário, vemos que ambos podem estar apenas esperando mais um toque numa LTB

Suporte nos 18.000 para o Dow Jones e 2.120 para o SP500 definem uma queda forte ou não


Dow Jones, diário, escala logarítmica



Dow Jones,tempo horário, escala logarítmica




SP500, diário, escala logarítmica





SP500, tempo horário, escala logarítmica








Nada como um dia após o outro.....antes, 1 analista em 100 dizia que a economia não iria reagir tão cedo....agora......começou a virar todo mundo....

Nada como um dia após o outro.....antes, 1 analista em 100 dizia que a economia não iria reagir tão cedo....agora......começou a virar todo mundo....

Uma enxurrada de analistas começa a "mudar de lado"

Agora, a economia só volta a melhorar em 2017.....

É......pode ser, né ?

2017.....2018.....2019......2020


Vejam a matéria abaixo da Revista Época publicada no meio da semana, dia 26-10

http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2016/10/retomada-da-economia-ainda-esta-distante.html

A retomada da economia ainda está distante

A fraqueza de setores produtivos e do mercado de trabalho indica que a “hora da virada” foi adiada e só deverá vir em 2017

LUIS LIMA
26/10/2016 - 08h00 - Atualizado 26/10/2016 13h52

A aprovação do impeachment da presidente Dilma Rousseff, em agosto, trouxe calma e otimismo aos mercados. Após meses de incerteza, a confiança em relação ao futuro da economia aumentou, em sintonia com o arrefecimento da crise política. No segundo trimestre, o Produto Interno Bruto (PIB) do país teve queda de 0,6%, mas houve boas notícias. As principais foram a recuperação da indústria, que vinha recuando havia cinco trimestres, e a do investimento, que caíra por dez períodos seguidos. Na esteira dos sinais animadores, analistas cogitaram que o ponto de virada da economia poderia acontecer no terceiro trimestre.

Hoje, a percepção mudou. O ânimo arrefeceu e a previsão de recuperação está sendo adiada. As expectativas de melhoria não estavam ancoradas no dia a  dia da economia. “Não conheço momentos no passado em que todos os dados de expectativa haviam crescido tanto sem haver uma repercussão real na atividade”, diz Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados. A consultoria agora espera uma recuperação da atividade apenas em 2017, na mesma linha de outras instituições.


Para 2016, o Bradesco prevê retração do PIB de 0,8% no terceiro trimestre e queda de 0,2% entre outubro e dezembro. O Santander espera retração de 0,5% no terceiro trimestre e estabilidade no quarto. “A recuperação da atividade não virá no terceiro trimestre. Projetamos uma queda de 0,4% entre julho e setembro e uma possível recuperação de 0,3% no último trimestre”, diz Luiz Castelli, da GO Associados. Para ele, a recuperação econômica segue em marcha lenta, afetada por fatores como o crédito escasso e a queda da renda do brasileiro.

Em agosto, o Índice de Atividade Econômica do Banco Central, o IBC-Br, espécie de sinalizador do PIB, intensificou seu ritmo de queda. É um reflexo do mau desempenho da indústria, do comércio e dos serviços, que  amargaram queda na comparação com julho. Os resultados vieram aquém das expectativas do mercado. 

No setor de serviços, o recuo foi o maior registrado num mês de agosto desde 2012. O maior tombo, porém, foi da indústria, que registrou a maior retração desde janeiro de 2012. A queda, avaliada como pontual, foi provocada pela paralisação da produção de carros em São Paulo e anulou os ganhos do setor registrados nos cinco meses anteriores. A produção de veículos deverá voltar a subir ao longo do semestre, mas não a ponto de compensar os resultados ruins – num eloquente sinal de que a volta da confiança, às vezes, não é uma garantia da retomada do crescimento.

No mercado de trabalho, os números também são igualmente decepcionantes. Entre junho e agosto, a taxa de desemprego subiu de 11,6% para 11,8%. No total, já são 12 milhões de desocupados no país. Sem emprego, a demanda do consumidor por crédito está paralisada em relação ao ano passado. A demanda por parte das empresas acumula queda de 1,4% na mesma base de comparação. Esses indicadores projetam mais números negativos para os setores de serviços e comércio nos próximos meses.

Nesse cenário de terra arrasada, a reativação da economia está condicionada à queda dos juros. Por isso, na semana passada, o Banco Central (BC) resolveu, por unanimidade, reduzir a Selic, pela primeira vez desde 2012. Na reunião de outubro, o Comitê de Política Monetária (Copom) cortou a taxa em 0,25 ponto percentual, para 14% ao ano. O avanço do ajuste fiscal no Congresso Nacional e o enfraquecimento da inflação motivaram a decisão. “A aprovação da PEC 241 em primeira votação na Câmara clareou o horizonte dos investidores, aumentou a confiança e abriu caminho para o ciclo de queda da Selic”, diz Mauro Rodrigues, professor da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP). A médio prazo, juros menores barateiam o custo do crédito bancário e também da dívida da União e de pessoas físicas. No limite, também deverão estimular o investimento, a geração de empregos e, consequentemente, o crescimento.

A guinada na política monetária está diretamente relacionada à desaceleração da inflação. O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) foi de 0,08% em setembro, o menor resultado para o mês desde 1998 (0,22%). Em alimentos e bebidas, grupo com peso significativo no índice, houve deflação. Para ajudar, a Petrobras, na sexta-feira (14), reduziu o preço dos combustíveis, o que pode aliviar a inflação no médio prazo. Nas previsões do mercado, o IPCA deve desacelerar de 7% em 2016 para 5% em 2017.

Para que a recuperação seja estimulada, os economistas esperam que o BC acelere o ciclo de cortes na Selic. Aguarde-se uma possível redução de 0,50 ponto na próxima reunião do Copom, em novembro. Essa decisão está condicionada, sobretudo, ao comportamento dos preços do setor de serviços e à  aprovação da PEC do teto de gastos públicos pelo Senado, que deverá ser votada no dia 29 de novembro. “Veio tarde e tímido [o corte dos juros]. Mas antes tarde do que nunca”, diz o presidente do Conselho Federal de Economia, Júlio Miragaya. Ele considera que, mesmo que o BC acelere o ritmo de cortes na Selic, os efeitos benéficos na aceleração do PIB só serão sentidos em 2017. As decisões do Copom sobre os juros, em geral, começam a surtir efeito depois de seis a nove meses.

A decisão do BC de cortar apenas 0,25 ponto a Selic em outubro foi cautelosa. Dá à autoridade monetária a chance de testar a queda da taxa de juros, com um olho na inflação e outro no crescimento. Essa cautela se deve também às muitas dúvidas que persistem em relação ao ajuste fiscal. Após a aprovação da PEC do teto de gastos, o governo terá de encampar uma batalha ainda mais dura, a da reforma da Previdência. Sem mudanças no sistema previdenciário, a PEC será inócua. Os efeitos colaterais de uma contínua piora no rombo das contas públicas serão o aprofundamento da recessão e a volta de uma inflação crônica, o que pode inviabilizar os planos do BC de reduzir a Selic a 11% até 2017, como projeta o mercado.

Não bastasse todos os indicadores econômicos pouco alvissareiros, a prisão preventiva do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha criou mais uma nuvem negra a pairar sobre o governo Michel Temer. Dependendo do que Cunha vier a falar aos procuradores da Operação Lava Jato, a estabilidade política do governo poderá ficar em risco, com o comprometimento da aprovação no Congresso das reformas em curso. Uma volta aos tempos turbulentos do governo Dilma provocará mais incertezas e desconfianças em relação ao futuro da economia.




Diz o site "O Antagonista-O Financista" que a Ambev desistiu de prever quanto vai faturar esse ano......humm...é melhor mesmo.....pois há 6 meses o "mercado-analistas" dizem que vai melhorar....e só piora.....

Diz o site "O Antagonista-O Financista" que a Ambev desistiu de prever quanto vai faturar esse ano......humm...é melhor mesmo.....pois há 6 meses o "mercado-analistas" dizem que vai melhorar....e só piora.....

Post do site "O Antagonista-O Financista" publicado ontem...

http://www.oantagonista.com/posts/um-pais-imprevisivel

Um país imprevisível

O Financista 28.10.16 20:51
A Ambev simplesmente desistiu de fazer uma projeção de quanto deve faturar no Brasil neste ano.

Prática comum entre empresas listadas na Bolsa, a divulgação de estimativas ajuda os investidores a avaliá-las.

A maior cervejaria das Américas, contudo, justificou-se citando as incertezas da economia. No terceiro trimestre, sua receita líquida recuou 2,4% sobre o mesmo período do ano passado, somando R$ 10,5 bilhões.



sexta-feira, 28 de outubro de 2016

Vamos ao VIX, Hedge do SP500, pra termos idéia do atual perigo nos mercados americanos.....em paralelo, mostro também o perigo que está explícito no equivalente do VIX para os mercados emergentes...o índice "VXEEM"

Vamos ao VIX, Hedge do SP500, pra termos idéia do atual perigo nos mercados americanos.....em paralelo, mostro também o perigo que está explícito no equivalente do VIX para os mercados emergentes...o índice "VXEEM"

O que fica claro abaixo

No caso do VIX......A cunha nos mostra que é questão de tempo algum corte pra cima, de forma a empurrar os mercados americanos para um dos mais críticos níveis de incerteza dos últimos 12 meses...

Igualmente para o equivalente dos mercados emergentes....vejam no segundo gráfico abaixo, o rompimento hoje no fechamento do importante divisor da faixa de 22,00.....só falta a faixa de 24,00, por onde passa uma LTB...

VIX, Diário, escala logarítmica



VXEEM, Diário, escala logarítmica, Período 2 anos




VXEEM, Diário, escala logarítmica, período 10 meses







Vamos ao "EWZ" , o "Bovespa operado pelos estrangeiros" e sua LTB longa de 5 anos tocada hoje junto om o toque na MA200 no tempo Semanal

Vamos ao "EWZ" , o "Bovespa operado pelos estrangeiros" e sua LTB longa de 5 anos tocada hoje junto om o toque na MA200 no tempo Semanal

Dá pra perceber que ali no final de 2014, essa LTB foi rompida......esse tipo de rompimento falso durante 2,3 semanas deixa essa LTB um pouco menos consistente

MA200 em linha vermelha tocada essa semana.....o toque está "escondido" pela reta da LTB...mas foi ali cravado


EWZ, Semanal, escala logarítmica





Tenho algumas "pulgas atrás da orelha" que quero compartilhar com vocês...vejam os gráficos da VALE5 e VALE3 "sem o desconto dos dividendos"....as 2 tocaram os fundos da crise de 2008

Tenho algumas "pulgas atrás da orelha" que quero compartilhar com vocês...vejam os gráficos da VALE5 e VALE3 "sem o desconto dos dividendos"....

As 2 tocaram os fundos da crise de 2008....

Vejam abaixo.....para a VALE5, fundo era 20.46......no rally da VALE5, a máxima foi nessa semana em 21.25......mas vejzm o topinho de maio do ano passado....21,10....

Ou seja.....ela fechou em 20,78......ali colada ao fundo de 2008 e ao topinho de 2015...LTA Longa nesse caso tá passando ali por volta de 24,00

Agora, vejam a VALE3....

Fundo de 2008 em 22,10.....que é o topinho desse ano atingido em abril.....naquela primeira paulada, enquanto a VALE5 foi a 16.87....a VALE3 foi nos 22.19....

Vejam que a LTB da VALE3 "sem dos dividendos" passa justamente ai na faixa de 22,10...

Mais curioso é que o gráfico normalmente usado, ou seja, descontando os dividendos......também existe uma LTB um "pouco menos longa" que passa ai na faixa de 22,00......fechamento hoje da VALE3 foi em 22.14 (vejam o último gráfico)

VALE5, Semanal, escala logarítmica, "sem o desconto dos dividendos"




VALE3, Semanal, escala logarítmica, "sem o desconto dos dividendos"





VALE3, Semanal, escala logarítmica, "com o desconto dos dividendos"










VALE5 fecha a semana com o segundo maior IFR14 dos últimos 15 anos no tempo SEMANAL

VALE5 fecha a semana com o segundo maior IFR14 dos últimos 15 anos no tempo SEMANAL

IFR14 em 74,50 destacado abaixo...tempo semanal

VALE5, Semanal, escala logarítmica









Dow Jones deve perder a faixa de 18.000 "muito em breve"

Dow Jones deve perder a faixa de 18.000 "muito em breve"

VIX, Diário, escala logarítmica





quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Vai melhorar.....vai melhorar...os bancos estão dizendo....os analistas também......queda da selic.....bancos vão liberar muitos bilhões de créditos a mais......opss...."Cadê o fundo" ?............"Brasil perde quase 40 mil empregos formais em setembro, pior que o esperado", por Reuters Brasil

Vai melhorar.....vai melhorar...os bancos estão dizendo....os analistas também......queda da selic.....bancos vão liberar muitos bilhões de créditos a mais......opss....

"Cadê o fundo" ?





Vejam matéria abaixo publicada ontem, 26-10-2016 no final do dia....crédito: Reuters Brasil

http://br.reuters.com/article/topNews/idBRKCN12Q2ON

Brasil perde quase 40 mil empregos formais em setembro, pior que o esperado
quarta-feira, 26 de outubro de 2016 17:38 

14/03/2016 REUTERS/Paulo Whitaker

SÃO PAULO (Reuters) - O Brasil fechou 39.282 vagas formais de emprego em setembro, segundo o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgado pelo Ministério do Trabalho nesta quarta-feira, muito pior que o esperado por analistas, afetado pelo mau desempenho nos setores de construção civil e serviços.

Em pesquisa Reuters, a expectativa era de que 16 mil empregos seriam encerrados no último mês, conforme mediana das expectativas.

No acumulado do ano até setembro, a economia brasileira já perdeu 683.597 empregos formais, acumulando em 12 meses perdas líquidas de 1.599.733 vagas, em meio ao cenário de recessão econômica do país.

Por setores, o pior resultado do emprego em setembro foi observado na construção civil (fechamento líquido de 27.591 postos). Na sequência, vieram o setor de serviços (-15.141 postos) e agricultura (-8.198).

Na contramão, a indústria de transformação e o comércio apresentaram criação líquida de vagas formais, com a abertura de 9.363 e 3.940 postos, respectivamente.




Há pelo menos 15 anos que a VALE5 não se distancia tanto de sua MA200 no tempo diário como agora....64% longe de sua MA200

Há pelo menos 15 anos que a VALE5 não se distancia tanto de sua MA200 no tempo diário como agora....64% longe de sua MA200

MA200 em linha vermelha abaixo

É óbvio que isso está "fora do lugar" e tem de ser "arrumado" rapidamente


VALE5, Diário, escala logarítmica




quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Bank of America......o "Itau dos americanos"...."bancão de varejo"......vejam o gráfico......precisa desenhar ?

Bank of America......o "Itau dos americanos"...."bancão de varejo"......

Vejam o gráfico......

Precisa desenhar ?

Vejam a marcação do cruzamento da MA50 sobre a MA200 no tempo semanal lá em 2008......no segundo gráfico, o cruzamento hoje já está configurado......

BAC, Semanal, escala logarítmica, período 10 anos



BAC, Semanal, escala logarítmica, período 3 anos







Good Morning America !....bateu !! ADR VALE em Nova York bate agora há pouco na máxima na LTB de 5 anos

Good Morning America !....

Bateu !! ADR VALE em Nova York bate agora há pouco na máxima na LTB de 5 anos

 ADR VALE em Nova York , Semanal, escala logarítmica, período 7 anos








"DJUSST" (Dow Jones Steel Index)....congestão e LTB

"DJUSST" (Dow Jones Steel Index)....congestão e LTB

"DJUSST", DIário, escala logarítmica, hora 11:54, Brasília






terça-feira, 25 de outubro de 2016

VIX....Hedge do SP500.......de novo na LTA curta....de novo na cunha....de novo na faixa de 12-13.......

VIX....Hedge do SP500.......

De novo na LTA curta....de novo na cunha....de novo na faixa de 12-13.......


VIX, Diário, escala logarítmica











E por que os mercados americanos não saem do lugar ? Ora....porque tem uma LTB a ser tocada......enquanto isso.....sobem 2 papéis....cai 1 papel..sobem 3.....puxa daqui....dali...

E por que os mercados americanos não saem do lugar ? Ora....porque tem uma LTB a ser tocada......enquanto isso.....sobem 2 papéis....cai 1 papel..sobem 3.....puxa daqui....dali...


Dow Jones, tempo horário




SP500, tempo horário






Por que a "brincadeira" no post anterior ?.....Porque escrevi no dia 07-10 o seguinte post: "Posso falar uma coisa ? Quase todos os papéis do Bovespa tomaram uma direção inimaginável...que os digam os bancos.....não falo de Petrobrás...a levaram para níveis surreais na faixa de 4,00......Falta VALE.....se VALE5 romper a faixa de 16,20-16,30, pode ir lá nos 18,00-19,30".....

Por que a "brincadeira" no post anterior ?.....

Porque escrevi no dia 07-10 o seguinte post: 

"Posso falar uma coisa ? Quase todos os papéis do Bovespa tomaram uma direção inimaginável...que os digam os bancos.....não falo de Petrobrás...a levaram para níveis surreais na faixa de 4,00......Falta VALE.....se VALE5 romper a faixa de 16,20-16,30, pode ir lá nos 18,00-19,30".....


Vamos a ele:...se contar que no dia seguinte.....no texto sobre o Bovespa poder ir aos 69-70 k , falei sobre a possibilidade da VALE5 ir nos 20,00

O topo anterior, na verdade, é 20.58........já está em 20.42


Vamos ao post: link abaixo


http://pracompraroupravender.blogspot.com.br/2016/10/posso-falar-uma-coisa-qause-todos-os.html

Posso falar uma coisa ? Qause todos os papéis do Bovespa tomaram uma direção inimaginável...que os digam  os bancos.....não falo de Petrobrás...a levaram para níveis surreais na faixa de 4,00......

Falta VALE.....se VALE5 romper a faixa de 16,20-16,30, pode ir lá nos 18,00-19,30...no mínimo, faixa de 18.50

Depois , falarei da cunha que já mostrei aqui da VALE3......

Isso tem a ver também comrompimentos importantes lá fora, principalmente BHP em Londres

Mais.....tem uma LTB Longa da VALE5 ainda devendo, passando na faixa de 18,00


VALE5, Semanal, escala logarítmica











E não é que faltava a VALE mesmo ??......as aberrações começam a se encaixar.....a chegar ao final.....algumas coisas começam a ficar muito perigosas.....o alerta principal é olhar para as MA's 200 de todos os papéis

E não é que faltava a VALE mesmo ??......

As aberrações começam a se encaixar.....a chegar ao final.....algumas coisas começam a ficar muito perigosas.....

O alerta principal é olhar para as MA's 200 de todos os papéis...

Tentarei falar mais....

Mas, fica o alerta da insanidade a que chegaram com as MAS' 200 no tempo diário de vários papéis





Já que falamos em "Comércio", vamos ao índice "ICON" (índice do setor de consumo)...tempo semanal

Já que falamos em "Comércio", vamos ao índice "ICON" (índice do setor de consumo)...tempo semanal

"ICON", semanal, escala logarítmica





O "bla blá blá" agora vai para o setor de comércio..... "Eles" pensam que vai subir pra sempre......tem que avisar que acabou a Bolha de Crédito, acabou a bolha de commodities, os bancos estão cortando crédito, continuarão a cortar crédito diante de uma forte onda de inadimplência, as pessoas perderam e estão perdendo o emprego.....

O "bla blá blá" agora vai para o setor de comércio.....

"Eles" pensam que vai subir pra sempre......tem que avisar pra eles que acabou a Bolha de Crédito, acabou a bolha de commodities, os bancos estão cortando crédito, continuarão a cortar crédito diante de uma onda gigantesca de inadimplência,  as pessoas perderam e estão perdendo o emprego.....

Vejam abaixo a expectativa das Lojas Renner diante de um trimestre "atípico"....

Foi "atípico"......vai continuar subindo pra sempre.....

as pessoas vão comprar....comprar....e comprar.....

Olha pro lado....e veja o que aconteceu com a indústria.....

Sinto muito....bateu....ainda batendo....e vai bater mais ainda no comércio

Matéria Reuters Brasil:

http://br.reuters.com/article/businessNews/idBRKCN12O2IM

Lojas Renner tem queda em vendas mesmas lojas no 3º tri, 1ª recuo anual desde 2009

segunda-feira, 24 de outubro de 2016 18:30
Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Lojas Renner fechou o terceiro trimestre com queda de 3,9 por cento nas vendas no conceito mesmas lojas em relação ao mesmo período de 2015, primeiro recuo anual desde 2009, afetada pelo ambiente econômico ainda desafiador no país, mas também baixas temperaturas e atualização de sistema.

O lucro líquido caiu 11,5 por cento na base anual, para 84,9 milhões de reais, afetado pela baixa contábil de ativos por atualização de sistemas de tecnologia e equipamentos do antigo centro de distribuição de Santa Catarina. Excluído esse impacto, o lucro teria atingido 92,3 milhões de reais.

"Foi um trimestre atípico", disse à Reuters o diretor financeiro e de relações com investidores da empresa, Laurence Gomes, nesta segunda-feira.

O desempenho das vendas no conceito mesmas lojas foi pior do que estimativas de seis analistas de corretoras e bancos compiladas pela Reuters, que variavam de acréscimo de 0,9 por cento a queda de 2 por cento. A última vez que a Lojas Renner apurou queda nesse indicador foi no primeiro trimestre de 2009.

A receita líquida das vendas com mercadorias da varejista de vestuário subiu 1 por cento ano a ano, a 1,26 bilhão de reais.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado total, incluindo as operações de varejo e de produtos financeiros, somou 229 milhões de reais, quase em linha com o resultado um ano antes, de 230,5 milhões de reais.

(Por Paula Arend Laier)



Eu jurava que fosse subir !!....Não era isso que 9 entre 10 analistas falavam ?.....Bem....pelo menos, o blog , praticamente sozinho, sempre defendeu o "oposto"....vamos a título da matéria do Jornal "Valor": " Lucro dos grandes bancos deve cair 14%"

Nossa.....eu jurava que fosse subir !!....

Mas, não era isso que 9 entre 10 analistas falavam ?

Bem....pelo menos, o blog , praticamente sozinho, sempre defendeu o "oposto"....

Vai ter que correr muito.....mas muito atrás, pra voltar aos recordes recentes de lucros....

Pensem em aumentar mais tarifas.....coisa que quase todos os bancos estão fazendo de forma alucinante....


E ainda tem muita coisa por vir......


Provisões ?


Vamos lá !!.....é preciso mais provisões.....


Crédito ??


Olhem aí abaixo o que está escrito.....estabilização de crédito ?


Estabilização é eufemismo para colapso no crédito.


Deixa eu parar por aqui...


Vamos a título da matéria do Jornal "Valor", de hoje, 25-10-2016:

" Lucro dos grandes bancos deve cair 14%"

http://www.valor.com.br/financas/4754493/lucro-dos-grandes-bancos-deve-cair-14

25/10/2016 às 05h00

 Lucro dos grandes bancos deve cair 14%

 Os maiores bancos brasileiros devem registrar mais um trimestre de queda nos resultados, mostrando que a expectativa de recuperação da economia ainda não se traduziu no desempenho do sistema financeiro. Com a inadimplência batendo recordes (especialmente a de empresas) e a estagnação no crédito, o lucro trimestral combinado de Banco do Brasil, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander Brasil deve chegar a R$ 12,9 bilhões.






segunda-feira, 24 de outubro de 2016

LTB curta e LTA longa de 5 anos do "Dólar x Real", tempo semanal

LTB curta  e LTA longa de 5 anos do "Dólar x Real", tempo semanal

Dólar x Real, semanal, escala logarítmica





O Triângulo-cunha perfeito do COBRE no tempo semanal

O Triângulo-cunha perfeito do COBRE no tempo semanal


Cobre, Semanal, escala logarítmica














Vamos ver novamente a ADR VALE em Nova York nesse momento ?

Vamos ver novamente a ADR VALE em Nova York nesse momento ?

Rompeu, por enquanto, intraday, faixa de 6,26.....acima, olhem bem, tem uma faixa importante de 6,55-6,80.....

Agora, voltem os olhos lá para 2008, fundo da crise 2007-2008.......bateu no fundo a faixa de 8,80....

Portanto, o maior desafio agora pra ADR da VALE em Nova York é a faixa 6,30-6,80......talvez tenhamos um stress aí.....stress significa até mesmo uma queda de 10%-15% para a ADR....na Bovespa, de 12% a 20%.

Se conseguir romper, deve procurar o pullback no fundo de 2008.....faixa de 8,80.......isso pode signifiar na Bovespa , ainda um teste na faixa de 21,50 para VALE5

Nesse momento, em Nova York, ADR VALE negociada a 6,45


ADR VALE em Nova York, semanal, escala logarítmica






Lendo meia hora do noticiário......mais umas 500 horas de gráficos nos últimos 3 meses......reforçam minha percepção que estamos mais próximos de 2000-2002 (Estouro da Bolha da Internet) do que 2007-2008

Lendo meia hora do noticiário.....mais umas 500 horas de gráficos nos últimos 3 meses......reforçam minha percepção que estamos mais próximos de 2000-2002 (Estouro da Bolha da Internet) do que 2007-2008



Dow Jones hoje- 2008-2016....SEMANAL, Escala logarítmica


Dow Jones 1992-2003....SEMANAL, Escala logarítmica




SP500 hoje- 2008-2016....SEMANAL, Escala logarítmica





SP500 - 1992-2003....SEMANAL, Escala logarítmica






Um dos investidores mais "baixistas" ("bearish") do mundo, Marc Faber, já diz na CNBC, que os mercados emergentes têm de gastar em infra-estrtura, etc,etc,etc, e que o petróleo vai bater U$ 70 dólares o barril

Numa outra direção, um dos investidores mais "baixistas" ("bearish") do mundo, Marc Faber, já diz na CNBC, que os mercados emergentes têm de gastar em infra-estrtura, etc,etc,etc, e que o petróleo vai bater U$ 70 dólares o barril.....Junto, virá a inflação, diz

Vejam abaixo, sua visão "menos pessimista" sobre as commodities, no geral.

Dr Doom Marc Faber on why commodity prices will rise, oil to hit $70 soon
Leslie Shaffer | @LeslieShaffer1
5 Hours Ago

Long-depressed commodity prices are set to finally head higher for two key reasons, Marc Faber, the publisher of the Gloom, Boom & Doom report, told CNBC.

It all boiled down to the need for infrastructure, said Faber, who is also known as Dr. Doom for his usually pessimistic views.

"The need for infrastructure in Asia is huge. They have to build roads. You go to Jakarta, Manila, the infrastructure is a catastrophe," he told CNBC's "Street Signs," adding that to accommodate tourists, Asian countries needed to build airports and railways. "You cannot ship that many people by airplanes. There's no space."

The second reason commodity prices were set to rise was because developed markets were also set to boost their spending, he said.

"In the western world, they believe — I'm not saying it's the right belief — but the belief among economists and the neo-Keynesian and the interventionists is that monetary policy alone cannot lift the global economy out of its slow growth mode," he said. "So they have to go and build infrastructure and boost governments' fiscal deficits."

That was also set to send commodity prices higher, he said.

"This combination of infrastructure in emerging economies and infrastructure spending in the developed economies of the U.S. and Europe, in my opinion, will mean that inflation will actually surprise on the upside," he said.

When it comes to one particular commodity – crude oil - Faber also pointed to economic growth in emerging Asia as boosting prices, adding that oil could easily test $70 a barrel in the not too distant future.




"Deutsche Bank diz para se prepararem para uma queda de 20% das mineradoras", por Marketwatch"

"Deutsche Bank diz para se prepararem para uma queda de 20% das mineradoras".

Força do dólar e fraqueza do Cobre estariam entre os motivos, segundo os argumentos do Deutsche Bank, em matéria de hoje no Marketwatch, do "The Wall Street Journal"

http://www.marketwatch.com/story/why-mining-stocks-are-due-for-a-20-drop-2016-10-21

Why mining stocks are due for a 20% drop
By Sara Sjolin
Published: Oct 24, 2016 5:12 a.m. ET

Stronger dollar and weaker copper prices to trigger mining selloff, Deutsche Bank says

A rip-roaring recovery for European mining giants have seen the sector zip past other industries this year, but the striking performance is set to come to an abrupt end, according to Deutsche Bank.

Coming out of a horrible 2015 — plagued by huge debt loads and crumbling commodity prices — the miners across Europe have shot higher since mid-January, so far mustering an impressive 90% outperformance relative to the broader stock market.

“Since the middle of March, copper has fallen by 9% and the U.S. dollar has risen by 2%, both negative signals for mining — yet, the sector has nonetheless outperformed by a further 30%,” the analysts led by Sebastian Raedler, noted in a report out on Friday.

But that’s all coming to an end now. Based on the outlook for copper HGZ6, +0.19%  and the DXY, -0.04%  dollar, the bank’s model for the European mining sector is now pointing to a 20% selloff.

“The model’s projected downside is larger than at any other point over the past three years,” they said, reiterating their underweight stance on the sector.

Looking at year-to-date performances in Europe, mining companies are at the top of the list. Anglo American PLC AAL, +0.18%  has soared a whopping 268%, followed by Glencore PLC GLEN, +1.56% GLCNF, -0.82% 0805, +0.65%  up 163%, ArcelorMittal SA MT, +1.36%  148% higher and Fresnillo PLC FRES, +0.43%  up 133%.

Out of that bunch of the four top performers, only ArcelorMittal is not British, highlighting an important point about the sector’s ability to continue to rally this year.

Around 75% of all European miners are listed in the U.K., where the pound GBPUSD, +0.0981% GBPEUR, +0.0712%  has plunged against other major currencies following the Brexit vote in June. That means the London-listed miners are getting a FX-related boost to their earnings when they translate their overseas profits back into sterling.

However, that correlation is not stable and won’t continue to be a boon for the industry, Deutsche Bank said.

“It is likely to dominate only in periods of sharp pound moves and low metal price volatility. In a scenario of falling metal prices and a gradual pound depreciation, mining is likely to underperform,” the strategists said. “However, any further political shock in the U.K. would likely boost mining’s relative performance.”

The basic material miners are so far showing no signs of fatigue, with heavyweights such as Glencore, Rio Tinto PLC RIO, +0.96% RIO, +1.39% RIO, +0.55%  and BHP Billiton BLT, +1.41% BHP, +0.22% BHP, -0.17%  all showing sizable gains in recent months, including October so far.

But it’s a different story for its precious-metals peers. Silver SIZ6, +0.81%  and gold GCZ6, -0.10%  miners are among biggest decliners across all industries, falling in step with their underlying metals. The VanEck Vectors Gold Miners ETF GDX, -0.77%  is off 6.9% in October so far, while Randgold Resources Ltd. RRS, +0.00% GOLD, +0.01%  has dropped 8% and Fresnillo is down 8.7%.







"PDG perto de pedir recuperação judicial ", por Jornal "Valor"

Notícia publicada hoje pelo Jornal "Valor"

24/10/2016 às 05h00 

PDG perto de pedir recuperação judicial 

A PDG Realty, ícone da ascensão e queda do mercado imobiliário, já comunicou às lideranças dos bancos credores: se as linhas de financiamento à produção e capital de giro não forem normalizadas, a única saída será pedir recuperação judicial nas próximas semanas. O processo de recuperação daquela que já foi a maior do setor no país, e que hoje possui dívida de R$ 5,44 bilhões, tem potencial para, com facilidade, superar R$ 10 bilhões, considerando todos os seus compromissos, segundo apurou o Valor.




sábado, 22 de outubro de 2016

E GFSA3 (Gafisa ON) confirma rompimento de LTB de 4 anos no fechamento da semana

E GFSA3 (Gafisa ON) confirma rompimento de LTB de 4 anos no fechamento da semana

Rompeu um importante divisor também , faixa de 2,75....

Acima, temos 2,90, 3,46, 3,80, e o objetivo principal, após  esse rompimento da LTB, a faixa de 4,70

Pra baixo, muda tudo, se voltar a perder a faixa de 2,75

GFSA3 (Gafisa ON), Semanal, escala logarítmica






Bovespa rompe cunha pra cima, mira os 69.000-70.000, mas com alguma correção na LTA ou na MA50

Final de semana chegou, e nada de correção no índice IBOV.....

Vejam abaixo......havia uma cunha balizando o índice.....batia na LTA....e batia numa linha superior de um triângulo formado; tecnicamente chamado de cunha.


IBOV, Diário, escala logarítmica




Na segunda-feira última, dia 17-10, rompeu essa cunha pra cima....batendo na máxima 62.700, que foi a máxima do dia.

Indicação mais clara que o Bovespa não está nem aí para qualquer tipo de correção até conseguir sua "loucura", impossível.

Ele deve continuar a "atropelar" quem estiver no seu caminho.

Isso "casa" com o gráfico que mostrei aqui semana passada, isto é, comparando o rompimento do canal de baixa de 6 anos do índice "SSEC", da China, e o rompimento do canal de baixa de 6 anos do IBOV


SSEC, SEMANAL, Escala logarítmica




IBOV, SEMANAL, Escala logarítmica




A questão aqui passa a saber até onde o mercado é capaz de ser "insano", como destaquei no meu artigo semana passada

Esqueçam fundamentos, economia ainda em estágio "UTI", nada, absolutamente nada, ou quase nada, deterá o índice rumo a "loucura".

Desculpas , todos encontrarão aos montes......nomes sosfisticados para explicação da dinâmica altista, discursos estonteantes, visões ultra mega hiper otimistas.

Enfim......

O rompimento da cunha acima sinaliza uma ida aos 69.000, 70.000, ou quem sabe, ainda nos 72.000-73.000

As correções ?

Obviamente, a hipótese mais provável me parece a ida a LTA que o sustenta.....hoje, passa ali por volta de 61.000 pontos.

A segunda hipótese é uma mini-correção acompanhar a Média Móvel simples de 50 períodos, abaixo identificada em linha amarela.

Vejam que ela foi baliza em alguns movimentos nos últimos 2-3 anos em mini-correções....

Hoje, a MA50 passa por volta dos 60.000

O Fechamento do Bovespa ontem, sexta-feira, foi em 64.100, alta de 0,4%, máxima de 64.380. Acima dos 64.000, temos 65.000 e o mais forte, 66.000 pontos. Essa faixa de 66.000, é por onde deve acontecer o maior susto.

Quanto ao fim disso tudo ?

Ninguém ainda sabe....

Os mais otimistas dirão 74.000, topo histórico, 80.000, 100.000...200.000

A perda da LTA em curso, sgnifica uma correção muito agressiva....Levará o IBOV direto, sem parada alguma, para a sua MA200...Hoje, ali por volta de 51.600....mas subindo....

O que me parece é que, em menos de 3 meses, a volatilidade explodirá, e todo esse cenário ultra-mega hiper otimista desaparecerá.


IBOV, Diário, escala logarítmica