sábado, 28 de fevereiro de 2015

Vocês sabem o que é uma "tempestade perfeita" ? Já estiveram nela ? Surpresa......já estamos nela.......mas... ainda estamos no meio dela

Vocês sabem o que é uma "tempestade perfeita" ? Já estiveram nela ?

.Surpresa......já estamos nela.......

Bovespa, MENSAL, Escala logarítmica, 10 anos











sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

E Finalmente o Bovespa toca a sua LTB mais longa........agora, vamos explicar melhor a minha comparação com o ano de 2012 que fiz ontem

E Finalmente o Bovespa toca a sua LTB mais longa........

Agora, vamos explicar melhor a minha comparação com o ano de 2012 que fiz ontem.

Abaixo, no primeiro gráfico, temos o Bovespa hoje; na verdade, últimos 6 meses e a LTB mais longa

A princípio, como destacado aqui  ontem, eles fizeram o dever de casa......

Ou seja,  o divisor-resistência é confuso, ele se situa na faixa 52.000-52.500.....ora é 52.000, ora 52.500, como pode ser visto no primeiro gráfico; assim, eles aproveitaram que tinha uma LTB passando mais pra 52.500, e foram até lá..........

MÁXIMA DE HOJE.....52.457......

Deixou no fechamento um candle feio.....

Mas, olhemos o segundo gráfico mais abaixo.....

É o movimento de 2012 de que falei ontem.........assim como nos últimos mesesm o Bovespa ficou preso ali entre 46.000 e 50.800, um pouco mais, um pouco menos, o Bovespa ficou preso entre 52.000 e 57.000 lá em 2012....

Quando rompeu a faixa de 57.000, ele subiu cerca de 15% praticamente direto.......mas ali por volta de 59.400, pouco abaixo dos 60.000, ele rateou........e subiu devagarzinho, como fez o Bovespa nos últimos 7 dias.......

E finalmente, depois de bater 60.200, ele deixou um candle feio e corrigiu.......

Até onde ? Reparem na linha em vermelho....é a sua MA50.....ela começou a embicar pra cima demonstrando momento favorável pra compra.........

E a correção foi exatamente até sua MA50....nos 56.200.......depois a forte perna de alta até 63.500.....

Lá, o 60.000 não batiam numa LTB......por isso, é possivel vermos algo diferente agora.......talvez mais 2,3 toques na LTB......TALVEZ.......e a correção até próximo da MA50....

Hoje, essa MA50 passa ali em 49.200......vista no primeiro gráfico.....

REPAREM QUE, ASSIM COMO EM 2012, ela começa a embicar pra cima, mostrando força no lado da COMPRA.........O toque não precisa ser exato......em 2012 foi uma correção de cerca de 7%

E, depois, uma nova e forte perna de ALTA.....

Essa próxima PERNA DE ALTA deverá, finalmente, trazer a VALE e as siderúrgicas para um forte rally.........ISSO TEM A VER, PRINCIPALMENTE, COM O ÍNDICE "IMAT"......ISSO FALAREMOS DEPOIS....

Todo esse argumento  é o mais provável hoje

Fechamento hoje em 51.580. queda de 0,34%


Bovespa, diário, escala logarítmica




Bovespa, diário, escala logarítmica- ANO 2012







"CRB" Commodities, depois da esticada, ainda sente a sua MA50

"CRB" Commodities, depois da esticada, ainda sente a sua MA50 (em linha azul)


"CRB" Commodities, diário, escala logarítmica





Barril de Petróleo fecha a semana novamente abaixo da LTB mais longa

Light Crude Oil, diário, escala logarítmica





quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Bovespa......devagarzinho até a Segunda LTB........Eles fizeram isso em 2012

Bem gente......

O negócio é o seguinte.......é pouco provável que o Bovespa pare por ai......nos 52.000......como eu venho defendendo e ainda mantenho.....

No entanto.....é hora pra respirar....até porque, boa parte do que foi feito do 49.000 pra cá foi "farsa".....simplesmente na véspera de carnaval e na quarta-feira de cinzas....

E como eles estão fazendo isso °

Devagarzinho....abaixo, no primeiro gráfico, coloquei o Bovespa no final de 2012....

Vejam que ele sobe por cerca de 10 dias devagarzinho até os 60.200......depois corrige 4.000 pontos.....depois, a última perna mais forte

Isso deverá acontecer agora......

Reparem que há uma segunda LTB passando ai na faixa de 52.400;.....essa faixa de 52.000-52.500 sempre foi muito confusa....

Então, eles devem parar por aí....entre 52.000 e 52.500...

E eles esta subindo devagar o pullback....era 50.800....depois, subiram pra 51.000...hoje,, 51.200.....

e vamos que vamos.......

a correção pode levar, numa primeira hipótese, o Bovespa pra região entre 48.000 e 49.000......e depois, a última e forte perna de alta......que pode ser entre 55.000 e 58.500

A última.....a derradeira......perna de alta antes do Crash definitivo até a faixa de 30.000 pontos


Bovespa,,,,devagarzinho....diário....2012



Bovespa, diário, escala logarítmica, ATUAL














quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

"O Crash do mercado de ações de 2016: A Contagem começa"......"Dow Jones cairá 50% como em 2008, 2000 e 1929", por Paul Farrel, colunista do "Marketwatch"

Abaixo, artigo de Paul Farrel, colunista do "Marketwatch", site do "The Wall Street Journal", publicado agora há pouco

Título do artigo:

"O Crash do mercado de ações de 2016: A Contagem começa",


Opinion: Stock-market crash of 2016: The countdown begins
By Paul B. Farrell
Published: Feb 25, 2015 2:59 p.m. ET
Dow will drop 50% as market replays 2008, 2000 and 1929

It’s time to start the countdown to the crash of 2016. No, this is not a prediction of a minor correction. Plan on a 50% crash.

Most investors don’t want to hear the countdown, will tune out. Basic psychology. They’ll keep charging ahead with a bullish battle cry, about how the Nasdaq will keep climbing relentlessly to a new record above 5,048 ... smiling as they remember reading that a whopping 73 companies are now in the Wall Street Journal’s Billion Dollar Start-up Club, with Uber ($41 billion), SpaceX ($12 billion) and Snapchat ($10 billion). Hearts race even faster reading in Bloomberg BusinessWeek that “China’s IPO Boom Mints Billionaires” and Jack Ma’s Alibaba fortune is now valued at $35.1 billion.

Yes, technology IPOs are in the lead, and with all that good news, it’s easy to understand why investors tune out, don’t want to hear the warnings, no countdown to the 2016 crash.

But the crash of 2016 really is coming. Dead ahead.

Maybe not till we get a bit closer to the presidential election cycle of 2016. But a crash is a sure bet, it’s guaranteed certain: Complete with echoes of the 2008 crash, which impacted on the GOP election results, triggering a $10 trillion loss of market cap ... like the 1999 dot-com collapse, it’s post-millennium loss of $8 trillion market cap, plus a 30-month recession ... moreover a lot like the 1929 crash and the long depression that followed.

Plus cycles theorists warn that we dodged a crash in 2012-2013, thanks to the Fed’s stimulus and cheap-money polities. Or rather delayed it, which adds more power to the next one.

Why not sooner, you ask? Why not in 2015? Yes, Mark Hulbert’s already warned that the “stock market risk is higher today than it was in the dot-com era.” Yes, a dip is possible. MarketWatch’s Sue Chang writes of a 10%-20% stock-market correction by July.

But we also know markets are typically up the third year of a presidency. So if no crash is in the cards this year, then why bother with warnings and a countdown? Why bother building up the 2016 elections with lots of dark early warning signs, and doom-and-gloom warnings for the next 18 months?

Why? Simple, behavioral economists have long been telling us that investors will either choose to stay in denial till it’s too late, never having learned the lessons of history when the market collapsed in 2008, 2000 or 1929, when they collectively lost trillions. Or we know some investors really do want to heed the warnings, so they can plan ahead, avoid big losses, and take advantage of opportunities later, at the bottom.

Deja vu 2008: Watch another presidential hopeful collapse!

Let’s compare 2016 with earlier crashes: 2008 to 2000 to 1929, knowing all bulls drop into bears eventually. Basic cycles theory. And this next one will trigger losses bigger than 2000 and 2008. So bet against the house at your peril.

Jeremy Grantham’s already on record predicting that “around the presidential election or soon after, the market bubble will burst, as bubbles always do, and will revert to its trend value, around half of its peak or worse.”

That will translate into the DJIA crashing from today’s 18,117 down 50% to about 9,000. Ouch, the Dow crashing all the way below 10,000. Unimaginable. Bulls will hate it. No wonder our brains tune out, turn off. Instead, we prefer the happy talk that will just keep coming out of Wall Street and Washington till the 2016 collapse. We’ll just keep denying reality ... till it’s too late, and we suffer another $10 trillion loss is on the books.

Deja vu 2000: irrational exuberance, dot-com technologies

Remember 1999. Just 16 years ago. Roaring hot “irrational exuberance.” Renewed stock market mania. Wall Street was hot. Stocks roaring. Back then investors demanded insane annual returns during the worldwide millennium celebrations: the top 19 mutual funds had 179% to 323% annual returns.

Yes, dot-com stockholders expected 100% plus returns on zero revenues. Laughed at 30% index fund returns. Early retirement was all the buzz in barbershops and at neighborhood barbecues ... Then came the tech crash of 2000. Two wars. A 30-month recession. By 2005, global real estate was a hot new mania. Wall Street, Main Street, all addicted to the next new manias ... More is never enough. We’re our own worst enemies.

Skeptics may think this is a joke. Far from it. There’s a huge lesson for all investors in this victory. But we never learn. We’re in denial. Repeat.

Deja vu the Crash of 1929: and the long Great Depression

“The United States is more vulnerable today than ever before including during the Great Depression and the Civil War,” says Thom Hartmann, in “The Crash of 2016.” Why? “Because the pillars of democracy that once supported a booming middle class have been corrupted, and without them, America teeters on the verge of the next Great Crash.” Thanks to an obstructionist GOP, hell-bent on destroying Obama the past six years. His indictment hits hard, but matching something you might hear from Rush Limbaugh on the Right.

“The United States is in the midst of an economic implosion that could make the Great Depression look like child’s play,” warns Hartmann. His analysis is brutal, sees that “the facade of our once-great United States will soon disintegrate to reveal the rotting core where corporate and billionaire power and greed have replaced democratic infrastructure and governance. Our once-enlightened political and economic systems have been manipulated to ensure the success of only a fraction of the population at the expense of the rest of us.” And he wrote that before Picketty’s “Capital in the 21st Century.”

Déjà vu the Crash of 2016: sorry you’ll never hear coming

Why won’t we hear the crash? Are we all deaf? No. In fact, the warnings are always long and loud and crystal clear. So why won’t most investors hear them? Here’s why ...

The crashes will just keep coming. On March 20, 2000 we warned: “Next crash? Sorry, you’ll never hear it coming.” But few listened. The 1990’s dot-com’s mania was so blinding, it drowned out rational thinking, led to Wall Street losing $8 trillion in the 2000-2003 bear market recession. Still, nothing much has changed. Another round of warnings roared from 2004 into 2008. Few listened. Then another crash. And Wall Street lost even more, $10 trillion.

Throughout much of 2012-2013, pundits warned how bad the market really was. But in December the Wall Street Journal revealed that after 13 years in negative territory, Wall Street’s “Lost Decade” (which lasted from the 2000 crash to the end of 2013), finally broke even on an inflation-adjusted basis. And investors got back into bullish feelings. And that eased the panic and bought the bulls more time.

Yikes, it took 13 long years to break even from Wall Street’s losses of 2000 and 2008. And now investors are being warned that the Crash of 2016 will be even worse, with new losses of 50%. In short, the market really is bad news.

But still, here we are again, panicking: Fearing that 2016 will repeat 1929, fearing that Wall Street and Main Street, tens of millions of Americans, plus the Fed, the SEC, Washington politicians in both parties will refuse to prepare for the Crash of 2016. Will deny hearing the warnings ... of the Crash of 2016, one that promises in the end to become bigger and badder and far more dangerous than 2008, 1999 and 1929 combined. Listen closely, the countdown to the Crash of 2016 has started.




ETF "EWZ", o "Bovespa operado pelos estrangeiros", cai 2,01% nas primeiras negociações do Pré-Market em Nova York....ADR da Petrobrás cai 3,06%

ETF "EWZ", o "Bovespa operado pelos estrangeiros" cai 2,01% nas primeiras negociações do Pré-Market em Nova York....ADR da Petrobrás cai 3,06%

Hora 6:03 em Nova York......08:03, Brasília , Brasil

Aqui, o pré-market do "EWZ": http://www.marketwatch.com/investing/Fund/EWZ?countrycode=US

Aqui, o pré-market da ADR PEETROBRÁS: http://www.marketwatch.com/investing/Stock/PBR?countrycode=US




terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Vamos às fortes divergências baixistas do "SPXA50R" para o SP500

Sempre gostei de analisar o "SPXA50R" com o SP500

Já expliquei aqui algumas vezes....

O "SPXA50R" representa o percentual de papéis do SP500 que estão acima de sua MA50....

Se o mercado tá subindo e menos papéis estáo acima de sua MA50, então temos uma divergÊncia baixista.......menos e menos papéis estão participando da "festa"

Abaixo, separei 5 momentos dessas divergÊncias e as quedas em seguida

Agora, voltamos a ter fortíssimas divergências baixistas

SP500, Diário, escala logarítmica




SPXA50R, Diário, escala logarítmica







Vejam a aberração que o mercado produziu no intraday do "COBRE"....Romperam a LTB, rocaram a MA50, mas fecharam "em cima" do topo-divisor de 2,64-2,65

Vejam a aberração que o mercado produziu no intraday do "COBRE"....

Romperam a LTB, rocaram a MA50, mas fecharam "em cima" do topo-divisor de 2,64-2,65

Agora, reparem que essa faixa de 2,675, máxima do dia, é antigo forte suporte no semanal

COBRE, Diário, escala logarítmica



COBRE, SEMANAL, escala logarítmica







Por acaso esses caras estão pedindo um "crash" de 10% nos mercados mundiais ou apenas uma correção de 5% ? Bovespa, Dow Jones, sp500, NASDAQ, DAX, CAC-França e "Índice Dow Jones Global"


Por acaso esses caras estão pedindo um "crash" de 10% nos mercados mundiais ou apenas uma correção de 5% ? 

Vejam,,,,,,,analisem.......especulem


Bovespa, Dow Jones, sp500, NASDAQ, DAX, CAC-França e "Índice Dow Jones Global"

BOVESPA, Diário, escala logarítmica



Dow Jones, Diário, escala logarítmica




SP500, Diário, escala logarítmica




NASDAQ, Diário, escala logarítmica




DAX-Alemanha, Diário, escala logarítmica




CAC- França, Diário, escala logarítmica




Índice Dow Jones Global, Diário, escala logarítmica











Fechamento do ETF "BZQ". um ETF "Hedge" do Bovespa........Em tese, uma bússula do risco do Bovespa, "equação inversa" do Bovespa.....fechou "em cima " da LTA

Fechamento do ETF "BZQ". um ETF "Hedge" do Bovespa........

Em tese, uma bússula do risco do Bovespa, "equação inversa" do Bovespa.....

Fechou "em cima " da LTA

BZQ, Diário , escala logarítmica





"Moody's rebaixa todas as notas e Petrobras perde grau de investimento", por Portal G1

Foi-se mais um capítulo na triste história da Petrobrás

É óbvio que isso impacta negativamente para o Brasil como um todo....

A Petrobrás é , ou foi, a maior empresa do país

Notícia crédito Portal G1

http://g1.globo.com/economia/negocios/noticia/2015/02/moodys-rebaixa-todos-notas-de-credito-da-petrobras.html



4/02/2015 20h36 - Atualizado em 24/02/2015 21h11
Moody's rebaixa todas as notas e Petrobras perde grau de investimento
Agência já havia cortado os ratings da empresa em janeiro.
Moody's voltou a citar atraso em divulgação do balanço em justificava.

Do G1, em São Paulo

A agência de classificação de risco Moody's informou nesta terça-feira (24) que rebaixou todas as notas de crédito da Petrobras. A empresa perdeu grau de investimento.
A nota de risco da dívida foi rebaixada de Baa3 para Ba2. A empresa passou a ter grau especulativo.
A Moody's foi a primeira das três grandes agências de risco a rebaixar a nota de crédito corporativo da Petrobras para grau especulativo. A empresa ainda tem grau de investimento pelas agências Fitch e Standard & Poor's.
A avaliação de risco é um sistema de nota desenvolvido por agências de análise de riscos para alertar os investidores de todo o mundo sobre os perigos do mercado ou da empresa que eles escolhem para aplicar seu dinheiro. Entenda como funciona.
No final de janeiro, a Moody's já havia rebaixado todas as notas da empresa. Também neste mês, a agência Fitch rebaixou os ratings da dívida da Petrobras em moeda estrangeira e local para "BBB-" ante "BBB", e simultaneamente colocou a petroleira em perspectiva negativa.
Segundo a Moody's, os rebaixamentos refletem uma preocupação crescente sobre as investigações de corrupção e pressões de liquidez, que podem resultar em de atrasos na entrega de demonstrações financeiras auditadas.

A agência também apontou expectativas de que a empresa terá como desfio reduzir significativamente o peso de sua dívida ao longo dos próximos anos. Os ratings continuam em revisão para possível rebaixamento.






segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

"Confiança do empresário da indústria alcança pior índice da história", por Jornal "Valor Econômico"

Alguém aí animado pra investir ? 

10 pontos !!! 10 pontos abaixo da linha divisória de 50 pontos !! divisor que indica pessimismo.

O que significa então abaixo de 40 pontos ?

Pois é.....na indústria de construção civil, chegou-se a 39,8 !

Sim......39,8...

abaixo de 40 é o que ? Catástrofe ? desespero completo ?

Crédito da matéria, jornal "Valor Econômico"

http://www.valor.com.br/brasil/3921188/confianca-do-empresario-da-industria-alcanca-pior-indice-da-historia

Confiança do empresário da indústria alcança pior índice da história
Valor Online

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei) caiu 4,2 pontos em fevereiro e atingiu 40,2 pontos, o pior resultado da série histórica iniciada em 1999, conforme pesquisa divulgada nesta segunda-feira pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).
No levantamento, resultados abaixo da linha divisória dos 50 pontos indicam pessimismo. É o décimo-primeiro mês consecutivo em que o ICEI está em nível inferior a esse patamar. "A falta de confiança se tornou maior e mais disseminada pela indústria em fevereiro de 2015", afirmou, em nota, a CNI. Com a queda, a diferença com o resultado do Icei de fevereiro de 2014 é de 12,2 pontos para baixo, já que naquele mês ele foi de 52,4 pontos.
Na separação por setor, a indústria da construção foi a que teve a maior queda, de 4,8 pontos entre janeiro e fevereiro, chegando assim a 39,8 pontos. Já na indústria da transformação a queda foi de 4,1 ponto, o que deixou o índice em 40,1 pontos. A indústria extrativa foi o que apresentou a menor queda, de 2,3 pontos. O indicador do setor foi de 42,7 pontos neste mês. A pesquisa foi realizada entre 2 e 12 de fevereiro com 2.830 empresas.






Bovespa em 23-02-2015

Bovespa, depois de romper a faixa de 50.800, bateu por 3 vezes nela como "pullback"......

Do "lado de cima", tem encostado na importante faixa de 52.000.......bateu em 51.890 semana passada e hoje em 51.690....

Ou seja......pra cima esbarra na faixa de 52.000....pra baixo, se segura na antiga resistência de 50.800.....

Mais pra cima. ali por volta de 52.400, tem uma segunda LTB...

Vamos ver até quando vai "enrolar" nessa estreita faixa......entre 50.800 e a segunda LTB.....

Baixo volume em vários papéis............

Bovespa, diário, escala logarítmica






"DAX" Alemanha e "CAC" França - Tempo diário

Continuamos a passear por alguns índices pelo mundo

Índices europeus que haviam rompido "com folga" topos anteriores

DAX - Alemanha, diário, escala logarítmica

]



CAC - França, diário, escala logarítmica







"Cobre" - Tempo diário em 23-02-2015........pra quem utiliza como barômetro de setores de commodties

"Cobre" - Tempo diário, escala logarítmica





domingo, 22 de fevereiro de 2015

Bovespa - Final de Semana

Por terras brasileiras ainda muitas dúvidas.....quer dizer.....no que tange a parte gráfica, nem tanto....

O que nos deixa mais intrigados é como o mercado conseguiu a "façanha" da semana que passou ?

Bom....

vamos fazer a "parte oficial"

Rompeu a faixa de 50.200....e 50.800......

fechou a sexta em 51.250.....

Resistência agora é 51.850-52.000.....depois tudo picotado...

Suportes em 50.775-50.800, depois 50.000 e 49.000

Média móvel Simples de 50 períodos na faixa de 49.000, onde pode haver um pullback para novos topos.....

Num mercado assim, tudo é possível......até mesmo, voltarmos aos 47.000 e "recomeçar do zero"...

Tem uma segunda LTB em 52.500.......

Fechamento acima de 52.000, deve levar o Bovespa direto até os 57.500, com parada em 55.000





sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

A Grande Farsa......4 meses de extensão de crédito para a Grécia.......tempo a mais para nada...farsa......farsa

Não há nada no acordo entre Grécia e Eurogrupo...

4 meses ??

Ohhhhhh....


Tempo......apenas isso...ganha-se tempo.........tempo

A Grande Farsa......4 meses de extensão de crédito para a Grécia.......tempo a mais para nada...farsa......farsa

Apenas um trecho da matéria da CNBC....

Link pra matéria completa: http://www.cnbc.com/id/102441980

Deal reached between Greece, creditors
Jacob Pramuk | @jacobpramuk
10 Mins Ago

This is a breaking news story. Please check back for updates.

Greece and its euro zone creditors reached a deal to extend Greece's bailout for four months, Eurogroup head Jeroen Dijsselbloem said on Friday.

The euro traded near session highs of about $1.14 against the U.S. dollar and stocks rallied after the announcement. The Dow Jones Industrial Average and S&P 500 hit fresh records.

European finance ministers met Friday as failure to reach a deal threatened Greece's solvency. The extension will allow Greece to negotiate a follow-up arrangement with creditors.

"The Greek authorities have expressed their strong commitment to a broader and deeper structural reform process aimed at durably improving growth and employment prospects, ensuring stability and resilience of the financial sector and enhancing social fairness," the Eurogroup said in a statement.




Procura-se VOLUME no Bovespa depois de vários GAP'S Abertos ao longo de 2 dias nulos......Reuniões sobre a Grécia......tudo é uma verdadeira "Comédia Pastelão"

Tem horas que absolutamente nada.....nada faz sentido no mercado financeiro....

uma verdadeira farsa........

uma comédia.....

Lá na Europa toda REUNIÃO sobre os pontos "importantes" sobre o novo acordo grego é a mais IMPORTANTE até a próxima reunião, é claro.....

A da sexta passada era crucial ?....ah.......não foi....deixa pra segunda........essa sim é crucial.......

Ah......também não foi ?.....Deixa pra quarta (ontem)
.........ah....não foi ?.....deixa pra sexta !!! hoje.....

ATENÇÃO !!! essa de hoje é crucial..........até a próxima...

Pelas bandas brasileiras, nada diferente.....

Como disse na quarta......Bovespa sobe 7% rompendo os topos importantes de 50,200 e 50,800 na véspera de carnaval e na quarta-feira de cinzas !!

Sim.....sem volume.......acreditem !! VÁRIOS GAP´S ABERTOS !!

E onde está o volume ?

Nada ainda....

ontem......nada.......HOJE ???.....Muito menos !!

Ora.......se os algoritmos levaram sozinhos o mercado pra cima de 50.200, eles que se resolvam....

e continua a farsa.............

Tudo muito cômico.......se não fosse trágico lá na frente.......









quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

O Algoritmo da LTA curta nos "60 minutos" do Dow Jones está calibrada com a LTA curta da "IBM", um dos papéis de maior peso do Dow Jones

O Algoritmo da LTA curta nos "60 minutos" do Dow Jones está calibrada com a LTA curta da "IBM", um dos papéis de maior peso do Dow Jones

Se a "IBM" perder a LTA abaixo, Dow Jones perde a sua LTA.......LTA destacada no post anterior

Mais.....vejam a congestão bizarra da IBM.........

Isso abre mais dúvidas sobre o rompimento do Dow Jones...rompimento pra cima dos 18.000....

IBM, Diário, escala logarítmica





Dow Jones e SP500 no tempo "60 minutos"

Dow Jones e SP500 no tempo "60 minutos"


Dow Jones, tempo "60 minutos"





SP500, tempo "60 minutos"





Pra quem usa o "CRB Commodities" como barômetro das empresas do setor de commodities....."CRB" deu uma "bela esticada", mas sentiu e estacionou na sua MA50

Pra quem usa o "CRB Commodities" como barômetro das empresas do setor de commodities.....

"CRB" deu uma "bela esticada", mas sentiu e estacionou na sua MA50


CRB, Diário, escala logarítmica






Pra quem usa o "COBRE" como barômetro pra mineradoras.......uma LTB Longa também baliza o "COBRE"

Pra quem usa o "COBRE" como barômetro pra mineradoras.......uma LTB Longa também baliza o "COBRE"


COBRE, Diário, escala logarítmica






ETF "EWZ", o "Bovespa operado pelos estrangeiros", sente novamente sua LTB Longa

ETF "EWZ", o "Bovespa operado pelos estrangeiros", sente novamente sua LTB Longa

EWZ, diário, escala logarítmica





A Grécia apenas ganha tempo pra sair da Zona do Euro ? É o que parece..........

Mais um capítulo na eterna "novela da Grécia".....

Há poucos momentos atrás, a Grécia formalizou uma extensão de 6 meses na "sua linha de crédito".....

No entanto, a despeito dos pormenores, detalhes e predisposição do chamado "Eurogrupo" em dar mais esse "crédito" aos gregos, ganha musculatura junto a comunidade financeira e acadêmica a idéia de que a Grécia está apenas "ganhando tempo" para arrumar os detalhes operacionais para a saída da Zona do Euro e adoção da antiga moeda, o "Dracma".

A percepção junto a esse grupo de economistas e acadêmicos é de que a adoção do "Dracma" não seria tão devastadora assim pra economia grega.

De certa forma, alguns investidores que fugiram do país voltariam, incorpando áreas como a construção civil, entre outras,

Essa discussão ganha força em vários artigos e matérias espalhados nos últimos dias pela mídia.

O problema continua em se temer as consequências na saída da Grécia da Zona do Euro junto a outros países membros.

Pensariam o mesmo ? Pensando o mesmo, como seriam o efeito e impacto junto aos bancos e comunidade financeira ?

Abaixo, uma das matérias com esse "pensamento".......crédito, Canal de notícias "CNBC"

Greece requests loan extension from creditors
Matt Clinch | @mattclinch81
14 Mins Ago

CNBC.com

The negotiations surrounding Greece's debt problems took a step further on Thursday with the new Greek government formally applying for a six-month extension of its loan and a renegotiation of some its terms.

After speculation that it was on the cards, the confirmation came at just after 9 a.m. GMT with a request to prolong its "master financial assistance facility agreement."

The terms will also differ from Athens' current bailout program with Greece's new government - headed by the left-leaning Syriza Party - hoping to overhaul the nation's bailout program with European Institutions and alleviate its debt burden.

Syriza's pre-election mandate was to try to reduce the austerity policies imposed by Greece's creditors as part of the bailout loans. The current program - which included the European Union and the International Monetary Fund as creditors - was due to expire in little more than a week.

While there was little detail about the proposed new loan agreement, it was still seen as progress by markets with European bourses turning higher after the news.

'Face the truth'

Meanwhile overnight, facing the prospect of Greece's banks running out of cash, the country has been allowed more provisions via a Emergency Liquidity Assistance (ELA) from the European Central Bank. This differs from its main bailout program and doesn't include the tough austerity policies which Greece policymakers are trying to negotiate over.

The situation has become so heated in recent weeks that some prominent economists now believe that the time is right for Greece to leave the euro zone bloc. Hans-Werner Sinn, president of the Munich-based Ifo Institute for Economic Research believes Greece's creditors need to "face the truth" and realize the country is bankrupt and needs to undergo a devaluation in order to regain competitiveness.

"Going to the drachma is the only possibility I believe, because then the economy will be revitalized rather quickly," Sinn, the widely-respected economist, told CNBC Thursday.

"We have to accept that as creditors and face the truth and reduce the burden to the Greek people," he added.
He argued that the drachma – its currency before it adopted the euro -- would help stimulate the country's economy. For example, Greece would stop importing agricultural products from other euro zone countries if it was using the drachma, as they would be more expensive, Sinn said.

"The people will go to their farmers and buy the products there, so there will be more jobs there," he added. "Second, tourists will come back from Turkey and go to Greece."
He also said that Greek people who have transferred money abroad because of fears of capital controls would be more willing to bring it back to the country and buy cheaper real estate. This would lead to a construction boom and potentially a fillip for manufacturing too, he added.

Capital controls?

Greece's situation got even more complicated Thursday morning, with a report in Germany's Frankfurter Allgemeine Zeitung (FAZ) newspaper, citing sources, which said that the European Central Bank would feel more comfortable if Greece introduced capital controls to stem the outflow of deposits from the country's banks. Understandably, markets traded lower in early deals Thursday with this uncertainty.
A spokesperson for the central bank told CNBC, however, that there was no discussion on capital controls by the ECB's governing council.
Sinn is an advocate of such controls and believes that the policy would mean the region would not repeat the mistakes of Cyprus in 2013. He also explained to CNBC that he wasn't convinced by the ELA to Greece's banks, saying that Greece's central bank or its government isn't liable to replenish its lenders because it didn't have the resources. Instead, the liability was still on other euro zone creditors, he said.

Slippery slope?

He also highlighted that he wasn't overly concerned that a Greek exit from the euro zone would lead to other struggling nations heading for the doors. The Podemos Party in Spain has been vocal since the Greek elections in January but Sinn argued that it wouldn't be a slippery slope for the euro zone.

Instead he flipped the idea around, saying that conceding major alterations to Greece's bailout program would be more disadvantageous to political sentiment in Spain than just letting Greece go it alone and introducing the drachma again.

Bob Parker, senior investment, strategy and research advisor at Credit Suisse, told CNBC Thursday that the level of brinkmanship in the region was "quite extraordinary"

"I really have to question whether actually people realize the downside risk if there is a Greek exit. What would be the write-offs, for example, at the European Central Bank?," he said.


Matt Clinch
Assistant Producer, CNBC.com




quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Bovespa sobe 7% nos dias em que o Gerente da Mesa de Operações pegou a estrada e no dia em que ele voltou da estrada.....alguém acredita nisso ?

Alguém já trabalhou numa mesa de operações de um banco de investimentos numa quarta-feira de cinzas ?

Pois sim.....

Eu já.......pra começar, ninguém quer ir até a mesa pra trabalhar na quarta-feira de cinzas, pois o dia é mais curto e o volume é baixo.

Enfim....

Não há ninguém na mesa de operações numa quarta-feira de cinzas.......há uma "revezamento" de pessoas pra que o mínimo se faça........ou seja......alguns poucos vão e, normalmente, "troca-se" essa ida por um outro feriado.....

E o que o mercado faz com o Bovespa ?

Na sexta última uma LTB e o último topinho em 50.800-51.000 à frente pra romper....

É claro que o "Gerente da Mesa" pegou a estrada lá pelas 2 da tarde......e ficaram os operadores....e os estagiários....

E foi nesse dia que eles romperam !!! romperam a LTB......VOLUME ? esqueçam....vamos romper assim mesmo....

GAP ? Um "batalhão" de gap's abertos.....

e pior !!........hoje, quando não há ninguém na mesa....e o "Gerente da Mesa" está voltando da estrada do feriadão, eles deixam que os algoritmos terminem o "trabalho sujo"...

Prosseguiram com bom rompimento da LTB e romperam o topinho de 50.800-51.000

Sensacional, não ??

Ahhhh......e tome mais um "batalhão" de GAP'S abertos....

Faça-me o favor !!!!.....

Alguém acredita nisso ?

Acham realmente que alguém ficou com "papel" nesses 2 dias ? ou apenas deixaram o algoritmos empurrarem "sozinhos" o mercado em 7% desde a última quinta-feira ?

Sim.....uma alta de 7% em 2 dias nulos.....véspera de carnaval e quarta-feira de cinzas, sem volume..... 2 dias nulos !

Bom....

Dentro dessa aberração, o Bovespa encostou no importante divisor de 52.000, ao bater na máxima hoje em 51.870 pontos....

Resistência então é a faixa de 52.000, e muita coisa quebrada depois....52.500, 53.000, 54.000 e 55.000.

Suportes em 51.200....51.000.......50.000-50.200.....48.800.49.000 e 48.000


MME13, pela primeira vez depois de 3 meses, cruzou pra cima sobre MME21, o que é sinal de compra


Bovespa, diário, escala semi-logarítmica






Seção: O Dia em que o FED aumentou a taxa de juros - 18-02-2015

Carnaval no Brasil.

Exceto alguns dias de tempestades de neve em Boston, e 1 feriado na China, Brenda raramente ficava sem trabalhar por 2 dias úteis seguidos.

No Brasil, teria segunda e terça-feira de Carnaval livres; quer dizer, nem tão livres assim.

Seu chefe Brian já havia lhe pedido há alguns dias relatório mais detalhado sobre o que se passava no mundo. Seu desconforto era notório, mas se aprofundara nas últimas semanas.

Brian tinha certeza que estávamos próximos a algo mais "agudo", mas precisava de dados, análises e novas percepções.

Antes de acelerar e se dedicar à tarefa entregue por seu chefe, Brenda fez questão de dar um passeio pelas ruas de São Paulo para ver mais de perto as festas carnavalescas.

Então, no domingo, Brenda resolveu se dedicar ao relatório de seu chefe.

Depois de algumas horas ao longo de Domingo e Segunda, finalmente Brenda enviou a Brian o que mais de importante viu.

Fez questão de ressaltar os 2  primeiros gráficos.

O Primeiro, diz respeito a um dos índices que representam os principais mercados europeus de ações, o índice "N100"; nele, era possível ver um grande canal de alta ao longo dos últimos 3 anos..
Mais, com a expectativa e posterior confirmação de uma nova rodada de estímulos monetários praticada pelo Banco Central Europeu, o "N100" rompeu topo histórico e começou "a andar" sobre a base superior do canal de alta......novamente.


N100, Semanal, escala logarítmica, período 3 anos




O segundo gráfico diz respeito ao índice "XAX", um índice que espelha uma série de ações e fundos de vários setores listados na NYSE, balanceados pelos respectivos valores de mercado.



Há uma clara relação da queda do "XAX" com as quedas dos mercados americanos nos crashes de 2000-2001 (Bolha da Internet) e 2008-2009 (Crise do Subprime). Isto é, há um forte paralelismo entre o "XAX" e o SP500 ou Dow Jones.

O que é "inconsistente nesse momento e ressaltado aqui, é o fato do "XAX", no estágio atual, estar numa forte perna de baixa, sem o acompanhamento dos mercados americanos.

Por que a demora ? A relação se manterá dessa vez, ainda que com um "DELAY" ?

Pra não se tornar repetitivo, o SP500 foi colocado por último no relatório; portanto, a comparação do "XAX" pode ser vista ao andar pra parte final do relatório

"XAX", Mensal, escala logarítmica, 20 anos



Na parte final do relatório, os destaques para 4 gráficos:

Dow Transportation
NASDAQ
NASDAQ100

e o SP500

Todos andando "perigosamente" em LTA'S longas....

Com exceção de 1 gráfico......NASDAQ.......perdeu uma LTA de 6 anos ao final do mês passado; ainda assim, conseguiu fazer uma nova máxima depois disso.

"Seu irmão" "NASDAQ100" ainda permanece "andando nessa LTA Longa de 6 anos

Vamos a eles:

Dow Transportation, MENSAL, Escala logarítmica, 25 anos



NASDAQ, MENSAL, Escala logarítmica, 25 anos





NASDAQ, MENSAL, Escala logarítmica, 10 anos





NASDAQ100, MENSAL, Escala logarítmica, 18 anos




SP500, MENSAL, Escala logarítmica, 25 anos


SP500, MENSAL, Escala logarítmica, 10 anos

 







terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

Fechamento ETF "EWZ" , o "Bovespa operado pelos estangeiros", em Nova York hoje.....também tocada LTB

Ontem, feriado nos Estados Unidos

Hoje, ETF "EWZ" , o "Bovespa operado pelos estangeiros", em Nova York também tocou sua LTB um pouco mais longa.......fechou "em cima"......alta de 0,91%

EWZ, Diário, escala logarítmica





"Racionamento deverá ser decretado em 100 dias, dizem especialistas", por Jornal "O Estado de São Paulo"

Noticia publicada hoje pelo jornal "O Estado de São Paulo" dá o tom da dramaticidade em que se tornou a questão energética no Brasil

http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,racionamento-devera-ser-decretado-em-100-dias-dizem-especialistas-imp-,1635496


Racionamento deverá ser decretado em 100 dias, dizem especialistas
ANDRÉ MAGNABOSCO - O ESTADO DE S. PAULO
17 Fevereiro 2015 | 02h 03
Técnicos dizem que restrição ao consumo de energia deve ficar entre 10% a 20% da carga, mas há quem projete até 30%
O racionamento de energia é inevitável e seu anúncio terá de ser feito em um prazo máximo de 100 dias. Esta é a previsão de especialistas do setor elétrico diante da situação de falta de chuvas que atinge, sobretudo, o Sudeste do País.

O atual nível dos reservatórios e a previsão pluviométrica para o final do período chuvoso, até abril, mostram que o volume de água armazenada não subirá o necessário para que o Brasil tenha condições de superar o período seco, de maio a outubro. Por isso, o intervalo entre o final de abril e o início de maio é considerada data limite para um anúncio oficial de racionamento. Tenha este nome ou racionalização, termo preferido pelo governo.
A demora federal em anunciar o racionamento ou ao menos iniciar uma ampla campanha de conscientização de consumo racional agrava a situação e pode fazer com que o corte seja ainda maior.
Entre especialistas, acredita-se que a restrição deva ficar entre 10% e 20% da carga, mas há quem projete números de 5% a 30%, a depender do ritmo da atividade econômica nos próximos meses. O alívio poderia vir da desaceleração da economia brasileira e da queda na produção da indústria nacional, esta motivada principalmente pela falta de água em Estados como São Paulo e Minas Gerais.
"Se continuar a seca existente neste momento e se considerarmos as previsões de vazão do ONS, chegamos até abril", afirmou a diretora da Engenho Consultoria, Leontina Pinto, em referência a previsões recentes do Operador Nacional do Sistema elétrico.

Limites. A análise leva em conta o limite mínimo de 10% no nível dos reservatórios proposto no mês passado pelo ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga. O problema é que o limite de 10% deveria ser alcançado no final do período seco, no último trimestre do ano, e não no primeiro semestre.
Para que o limite de 10% fosse respeitado, o nível dos reservatórios do País deveria chegar ao final de abril com o equivalente a 35% capacidade de armazenamento. A projeção foi feita em dezembro passado pelo diretor geral do ONS, Hermes Chipp. Na oportunidade, ele destacou que o número seria alcançado se o volume de chuvas até o mês de abril ficasse próximo a 70% da média histórica, o que não ocorreu até o momento.
O crescente risco de racionamento já foi acusado pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE), vinculado ao Ministério de Minas e Energia. Na semana passada, o CMSE elevou de 4,9% para 7,3% o risco de desabastecimento de eletricidade na Região Sudeste/Centro-Oeste em 2015. O número superou o limite tolerado pelo comitê, de 5%, porém nenhuma medida de corte de oferta foi anunciada.
Corte maior. "É um absurdo que o órgão de monitoramento ainda não tenha decretado racionamento. Se tivesse havido racionalização (de energia) em 2013, teríamos alcançado o objetivo de redução de consumo. Mas hoje falamos de cortes equivalentes a 10% a 20% da carga para que se tenha recuperação dos reservatórios", salientou o diretor da consultoria Thymos Energia, Ricardo Savoia. Em 2013, segundo Savoia, as projeções já sugeriam situação desfavorável ao fornecimento de energia no Brasil.
Agora, com mais de um ano de atraso, na visão dos especialistas, o governo começa a sinalizar a possibilidade de elaborar uma campanha de conscientização da população, medida que pode ser insuficiente. "A questão é que não temos mais tempo a perder. Se adiar mais um, dois, três meses, o governo aumenta o buraco", alerta o diretor da PSR, Marco Antonio Siqueira. A consultoria estima em 58% o atual risco de haver racionamento em 2015.
O anúncio de um racionamento apenas em abril coincidiria com o fim do período de chuvas e da expectativa de recuperação dos reservatórios. Caso o anúncio ocorra em abril, é possível que a adoção prática da medida seja implementada somente em junho.




segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Brasil ainda em Carnaval.......e na Europa, Grécia e "Eurogrupo" não chegam a nenhum acordo sobre o "novo socorro"ou um "novo acordo" sobre as condições da dívida grega

Brasil ainda em Carnaval.......e na Europa, Grécia e "Eurogrupo" não chegam a nenhum acordo sobre o "novo socorro"ou um "novo acordo" sobre as condições da dívida grega

Nada......

Notícia crédito "The Wall Street Journal" - "Marketwatch"

http://www.marketwatch.com/story/greek-debt-talks-end-early-and-without-a-deal-2015-02-16


Greek debt talks end early and without a deal
By Gabriele Steinhauser and Viktoria Dendrinou
Published: Feb 16, 2015 1:20 p.m. ET

BRUSSELS — Eurozone finance ministers concluded a meeting Monday night earlier than expected with no apparent agreement over Greece.

Earlier, Greece rejected a draft statement being prepared for the meeting. The statement said that Greece would seek a six-month extension to its existing bailout.




VALE5 - Fim de Semana e Carnaval

VALE5 - Fim de Semana e Carnaval

LTB em curso e tocada na sexta-feira


VALE, Diário, escala semi-logarítmica




VALE, tempo "60 minutos", escala semi-logarítmica







Bovespa - Final de Semana e Carnaval

Vamos dar uma "olhada" rápida no Bovespa

A primeira LTB um pouco mais longa e um pouco mais clara, se é que podemos dizer isso, foi rompida no fechamento na sexta-feira.

O topinho na faixa faixa de 50.000-50.200 também foi rompido.

Praticamente tocou o outro topinho importante, na faixa de 50.800

É muito significativo ? É.....Mas, há que se ter cuidado pra conter o entusiamo, dado um mercado baixista no longo prazo.

Ainda continuo mantendo a perspectiva de vôos mais altos, mas podemos ainda ter surpresas no curto prazo.

Como deu uma boa esticada num prazo curto, ainda devemos ter alguma perna de baixa mais forte.

O ideal seria o Bovespa não perder os 48.000, mas ainda h[a possibilidade de irmos aos 47.000-47.500 pro Bovespa ganhar mais força e romper os 50.800

Abaixo,destaquei o gráfico daquele período de 2012 de que falei outro dia.....outro período "confuso"

Reparem que uma LTB aparentemente mais consistente foi rompida, mas o mercado demorou a "engatar de vez"


Bovespa, diário, escala logarítmica




Bovespa, diário, escala semi-logarítmica, PERÍODO 2012






quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Hora da Verdade.....Amanhã, véspera de carnaval, a LTB do Bovespa passa em 50.000-50.200.......ninguém sairá mais cedo da mesa de operações....muito menos estagiário

Hora da Verdade.....

Amanhã, véspera de carnaval, a LTB do Bovespa passa em 50.000-50.200.......faixa tocada várias vezes nos últimos 45-60 dias

Vejam a LTB no gráfico abaixo...

Ninguém sairá mais cedo da mesa de operações....estagiário muito menos.......

Volume muto baixo hoje.......tem que entrar muito volume amanhã pra romper essa LTB.....ou na semana que vem....

Bovespa, diário, escala logarítmica







"O grupo de mineração anglo-australiano Rio Tinto anunciou nesta quinta-feira uma alta de 78% do lucro líquido em 2014, apesar da queda dos preços das matérias-primas, que foi compensado por custos operacionais menores.", por Jornal "Estado de Minas"


Noticia publicada pelo Jornal "Estado de Minas" / Agência de Notícias AFP hoje:

Vamos ver, daqui 15 dias, o esforço da VALE em cortar custos e obter o mesmo sucesso de sua concorrente Rio Tinto

http://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2015/02/12/interna_internacional,617509/rio-tinto-anuncia-alta-de-78-do-lucro-em-2014.shtml

Rio Tinto anuncia alta de 78% do lucro em 2014

postado em 12/02/2015 07:01
 AFP /Agence France-Presse

O grupo de mineração anglo-australiano Rio Tinto anunciou nesta quinta-feira uma alta de 78% do lucro líquido em 2014, apesar da queda dos preços das matérias-primas, que foi compensado por custos operacionais menores.
O lucro líquido ficou em 6,53 bilhões de dólares e o volume de negócios caiu 6,8%, a US$ 47,66 bilhões.
O lucro subjacente caiu 9% na comparação com 2013, a 9,3 bilhões de dólares, uma consequência da queda dos preços do cobre e do minério de ferro.
A Rio Tinto anunciou ainda um programa de recompra de ações de dois bilhões de dólares.
A recompra, aliada a um aumento do dividendo anual de 12% (a 1,19 dólar por ação), significa que os acionistas receberão quase seis bilhões de dólares de benefícios da empresa.
O resultado operacional subiu 52%, a 11,34 bilhões de dólares, graças a uma forte redução dos custos operacionais e das provisões por cargas excepcionais.



E continua a batalha das 3 maiores mineradoras do mundo, VALE, Rio Tinto e BHP, em "tomar conta" do mercado de minério de ferro no mundo "expulsando" as mineradoras de "alto custo"

Há uma batalha em curso.....

Com o crash do minério de ferro, as chamadas "mineradoras de alto custo" têm sofrido pra se manter no mercado........algumas delas já desistiram.....

De certa forma, um aumento de oferta por parte das 3 maiores mineradoras do mundo, VALE, Rio Tinto e BHP, faz parte de uma "batalha invisível", onde "as mais fortes", as que têm capacidade de cortar custos e, por consequência, suportar uma nova realidade, ocuparão os espaços deixados pelas "mineradoras de alto custo" que "morrerão" pelo caminho.

Abaixo, uma matéria da agência de notícias Reuters publicada hoje trata dessa nova realidade......

https://au.news.yahoo.com/world/a/26273773/the-end-battle-big-iron-ore-miners-tighten-grip-on-market/


The end battle? Big iron ore miners tighten grip on market

Reuters
February 12, 2015, 11:19 am

By Manolo Serapio Jr and Ruby Lian

SINGAPORE/SHANGHAI (Reuters) - The world's big three iron ore miners appear to be entering the final phase of a fight to increase market share in China as massive expansions drive more high-cost rivals out of business.

The global giants have met stubborn resistance after many big Chinese miners kept producing despite weaker iron ore prices, helping push prices far lower than Rio Tinto , BHP Billiton and Vale envisaged when they began to flood the world with ore two years ago.

However, cracks are starting to appear in even China's resilient state-mining sector, where mines can have production costs 20-50 percent above the market but also employ thousands of workers and are aligned with big steel makers.

One mine in Beijing that produces about 2 million tonnes of iron ore concentrate a year plans to suspend production for one-and-a-half months from this month, the first state-owned mine to do so, industry sources said.

Further price falls would bring more mine closures, said analyst Zhao Chaoyue, with China Merchant Futures in Guangzhou.

"That includes some state-owned mines owned by steel mills, which are likely to give up their own iron ore output and turn to cheap imported ore too," Zhao said.

Large, state-owned steel producers such as Angang Group <000898 .sz="">, Shougang Corp <000959 .sz=""> and Hebei Iron and Steel <000709 .sz=""> own a big chunk of the country's iron ore mines.

Angang declined to comment but its iron ore arm said on its website last month that its growth would "play a role in fighting against foreign monopolies" as well as "safeguarding national economic security". Officials at Shougang and Hebei Steel could not be reached for comment.

The lower prices are also forcing smaller miners in Australia, Canada and elsewhere to shutter production, helping the big miners to tighten their grip on the Chinese market, which accounts for two thirds of global demand.

Ore shipments to China rose 14 percent last year even as its steel output was nearly flat. China's own raw ore production fell in the final quarter of 2014, and industry executives estimate a third of the country's mines have halted production.

"It's all about returns. If (the big miners) can do it, why wouldn't they? There are very few commodities for all these companies where they can grow and generate a meaningful return," said Ric Ronge, a portfolio manager at Pengana Capital.

The "survival of the fittest" strategy, outlined by Rio Chief Executive Sam Walsh, is expected to see imports from Australia and Brazil take more than 80 percent of the Chinese market in 2015, from 64 percent four years earlier.

MARGINS CUT

Globally, around 170 million tonnes of iron ore, or 12 percent of last year's global trade, has been removed from the market over the past 12 months, according to Morgan Stanley.

The big three miners, together with Australia's Fortescue Metals Group , added 234 million tonnes of iron ore to global seaborne supply in the past two years, and will add another 196 million tonnes by 2020, according to Vale.

Iron ore has tumbled to less than a third of the price it commanded at the peak of the boom, but the majors have been able to cut costs. Margins, a gauge of profitability, have been squeezed but remain well above the industry average.

From above 60 percent in early 2011, when iron ore reached nearly $200 a tonne, top iron ore miner Vale's operating margin fell to 17.8 percent in the September quarter last year, data from Thomson Reuters Starmine showed.

It was the first time Vale's margin dropped below 20 percent since late 2009 although it was still well above the industry average of 9.4 percent, based on the data.

China's domestic supply is likely to fall by another 70 million tonnes this year, or about a fifth of the country's output in terms of equivalent imported ore grade, according to the China Iron and Steel Association.

Outside of China, Goldman Sachs estimates another 50 million tonnes of marginal supply may be at risk this year, despite some assistance from a stronger U.S. dollar, lower freight costs and lower oil.

While the plunge in prices will take a toll on the big miners' earnings due in coming weeks, it may help cement their grip on China's market.

Iron ore fell to $61.10 (£40.10) a tonne <.IO62-CNI=SI> last week, its lowest since May 2009, and a price between $60 and $70 a tonne could suit big miners, said Carsten Menke, commodity analyst at Julius Baer.

"The optimal strategy for them would be to target a price range where they remain profitable, as well as cash-flow positive, and where no supply expansion from other high-cost producers is incentivised," he said.

(Additional reporting by David Stanway in Beijing, Sonali Paul in Melbourne and the Shanghai Newsroom; Editing by Richard Pullin)



Começou......"Consultoria britânica retira selo de bom pagador do Brasil", por Jornal "Folha de São Paulo"

Não há nada que possa piorar, não é mesmo ?

Pensem na Moody's, Standard & Poors e Fitch......as 3 maiores agências de classificação de risco do mundo.....

Mas, pensem também na EIU, consultoria britânica, braço do grupo que publica a Revista "The Economist".

O Departamento de análise de risco da EIU recebeu em 2013, segundo a própria matéria da "Folha", a certificação de agência de classificação de risco da European Securities and Markets Authority (ESMA, autoridade que regula o mercado  europeu).

Sim....a EIU acaba de retirar do Brasil a categoria de "grau de investimento"....

Vamos esperar, de agora em diante, a Moody's, SP e Fitch...

Vamos a matéria da "Folha de São Paulo"

Aqui, o texto completo:
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/02/1588743-consultoria-britanica-retira-selo-de-bom-pagador-do-brasil.shtml

"Consultoria britânca retira selo de bom pagador do Brasil", por Jornal "Folha de São Paulo"
ÉRICA FRAGA
DE SÃO PAULO

A forte piora nas contas do governo levou a consultoria e agência de classificação de risco britânica Economist Intelligence Unit (EIU) a retirar o grau de investimento que havia concedido ao Brasil em janeiro de 2012. A EIU --braço do grupo que publica a revista "The Economist"-- reduziu a nota da dívida soberana brasileira de BBB para BB. Com isso, o Brasil perdeu o grau de investimento, uma espécie de selo de que é seguro investir em um país, e voltou para a categoria considerada mais arriscada.

O departamento de análise de risco da EIU recebeu em 2013 a certificação de agência de classificação de risco da European Securities and Markets Authority (ESMA, autoridade que regula o mercado europeu). O modelo de risco da consultoria é alimentado por 60 questões, que consideram tanto dados quantitativos quanto análises qualitativas. Segundo Robert Wood, analista da EIU, a forte deterioração nas contas públicas provocou o rebaixamento.

Após a divulgação do relatório trimestral anterior da consultoria, o governo passou a registrar deficit primário, deixando de poupar recursos para pagamento dos juros da dívida pública, e o desempenho da economia continuou muito fraco. Com isso, a relação entre a dívida pública bruta e o PIB (Produto Interno Bruto) ultrapassou 60%.

"Em nossa análise qualitativa, reconhecemos que a nova equipe econômica trouxe um ganho de credibilidade para o governo, mas isso não compensou o efeito da forte piora dos dados", diz Wood. Ele considera improvável que o Brasil recupere o grau de investimento nos próximos dois anos. A perda da nota sinaliza aumento do risco de calote, mas Wood ressalta que esse perigo ainda é baixo, pois o Brasil possui um grande colchão de reservas internacionais e dívida pública externa baixa.

As três principais agências de classificação de risco --Moody's, Standard & Poor's (S&P) e Fitch Ratings-- mantêm o grau de investimento do Brasil. Elas conseguem atribuir um peso maior a tendências futuras --como uma esperada melhora dos resultados fiscais--, enquanto a análise de risco da EIU é mais ditada por dados correntes. O temor de um rebaixamento por uma delas, no entanto, voltou a aumentar nos últimos dias com a piora do quadro econômico do país.



quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Pela primeira vez depois da Crise de 2008, o indice "VXX", um dos mais importantes índices de volatilidade do SP500, vê sua MA50 cruzar a MA200 e o MACD virar pra "positivo" no Tempo SEMANAL

Pela primeira vez depois da Crise de 2008, o indice "VXX", um dos mais importantes índices de volatilidade E Hedge do SP500, vê sua MA50 cruzar a MA200 e o MACD virar pra "positivo" no Tempo SEMANAL

Certamente 2 sinais perigosíssimos para os mercados americanos, principalmente, médio e longo prazo

Vejam nos 2 gráficos abaixo

VXX, Diário e o cruzamento da MA50 sobre a MA200





VXX, Diário e o cruzamento da MA50 sobre a MA200, período 3 anos





VXX , SEMANAL, com o MACD "acima da linha zero"