terça-feira, 31 de julho de 2012

Bovespa, Dow Jones, DAX, Londres e França

Vários mercado tocando "por baixo" pivots fundamentais.

Bovespa testa a faixa dos 58 k ao tocar hoje 57.500
Dow Jones sente a faixa de 13.120
CAC França rompeu ontem 3.300, mas fechou hoje abaixo.
Londres testou hoje a faixa de 5.700-5.750
DAX Alemanha testou a faixa de 6.850

Olhados por esses índices, os mercados mundiais poderiam corrigir a partir daqui.

No entanto, dado o comportamento traiçoeiro e "insano" dos mercados, é possível ainda imaginarmos que as faixas mais exatas devam ser ainda testadas, ou no mínimo, retestadas de uma forma "mais próxima".

Ou seja, podemos ainda imaginar que os mercados se aproximem mais dos 58 k para o Bovespa, de 13.250 para o Dow Jones, CAC França reteste a faixa de 3.300 ou a LTB mais acima, Londres reteste a faixa de 5.750 e o DAX reteste os 6,850

Abaixo, os gráficos diários , escalas logrítmicas.
Na ordem: Bovespa, Dow Jones, CAC França, Londres e DAX Alemanha
















Índice "CRB" commodities novamente próximo a sua MA200


Vejam o índice "CRB" Commodities hoje novamente batendo em sua média móvel simples de 200 períodos.

Reparem que em agosto de 2011 e fevereiro desse ano, o índice usou sua MA200 como balizamento para repiques mais acentuados; uma vez tocada, o índice veio mais pra baixo, fazendo novos pivots de baixa


Gráfico diário, escala logarítmica







Índice "XLF" do sistema financeiro americano em LTB


Abaixo vemos o "XLF", índice do sistema financeiro americano já praticamente tocando sua LTB mais longa


Gráfico diário, escala logarítmica






segunda-feira, 30 de julho de 2012

Bovespa, SP500 e Dow Jones


Baixo volume hoje, tanto aqui no Brasil, como lá fora.

Bovespa fecha o dia com novas máximas próximo do primeiro objetivo quando do rompimento dos 55.300, a faixa de 57.600

Gráfico diario, escala logarítmica



Dow Jones para em 13.120, primeira resistência próxima, deixando um doji, um candle de indefinição., assim como o SP500.

SP500 numa resistência média em 1.390, e muito próximo de onde passa uma LTB com uma baixa inclinação


Gráficos diários, escalas logarítmicas













domingo, 29 de julho de 2012

Eu sei o que vocês fizeram no verão passado......


Queria escrever e discutir mais o Brasil.....

Discutir o Brasil dos anos 80 e 90 que está sobre nós atualmente......

Mas os mercados não me deixam.......

No post de sexta-feira levantei algumas questões que fiquei de me aprofundar.....

Uma delas deve ser reforçada.......

A diminuição dos intervalos das altas nos últimos 50 dias.....

Certamente, isso não tem nada a ver com tendências de alta...

Mas nesse post quero compartilhar alguns gráficos que pedem reflexões mais atentas, PRINCIPALMENTE, olhados em conjunto com os índices de hedge e espelhos de volatilidade que tenho postado aqui.

Um passeio pelos gráficos, principalmente numa perspectiva mais ampla.


Comecemos pelo gráfico MENSAL 99-2012

Vejam que tanto no movimento 99-2001, como 2006-2008, tivemos altas muito fortes associadas A tempos muito curtos; isso pode ser visto dadas as inclinações dos 2 movimentos.

Vejam que nos 2 movimentos, antes das quedas "alucinantes", praticamente sem "paradas", tivemos um período semelhante de aproximadamente 1 ano em que as correções foram em torno de 10% e os mercados se seguraram numa região estreita, sem alcançar novos topos; quando os alcançavam, eram falsos rompimentos.

O atual movimento terá a mesma cara ?

SP500 , Gráfico MENSAL, escala linear




Vamos olhar agora 2 gráficos longos com 2 supostos canais em escala logarítmica


Dow Jones.

Vejam que o toque na linha superior do canal já foi tocada e muito próxima de ser retestada na faixa de 13.200

SP500

Vejam que o toque da linha superior do canal também já foi tocada emuito próxima de ser retestada na faixa de 1.400


Gráficos MENSAIS, Escala logarítmicas








Vamos passear e identificar algumas particularidades associadas com as linhas MACD e IFR14 nos tempos ANUAL, MENSAL e SEMANAL


É dificil alguém trazer para o debate um gráfico anual, correto ?

Pois sim......

Abaixo, temos o gráfico ANUAL do SP500 em escala logarítmica.

Vejam a LINHA MACD cruzada na venda desde o segundo topo em 2007 na faixa de 1.550.

Vejam os 3 topos do IFR14. Praticamente fazem uma Linha de Tendência de Baixa no ponto atual em 1.386.

Gráfico fechamento em 27-07-2012


SP500 ,  Gráfico ANUAL, escala logarítimica



Agora, vamos acompanhar os gráficos MENSAIS de 3 momentos do SP500.

Os momentos em que o SP500 subiu rápido, pra depois cair de forma alucinante.



Gráfico SP500 99-2001, MENSAL , escala logarítmica

Vejam alta associada a algumas divergências baixistas de IFR14 e a queda alucinante a partir do final de 2000





Gráfico SP500 2006-2008, MENSAL , escala logarítmica

Novamente temos aqui novos topos ali em meados de 2007 e a consequente divergência baixista no tempo MENSAL, menos intensa, é verdade, do que em 99-2000, porém, fica calra a divergência baixista de IFR14 no tempo MENSAL






Gráfico SP500 2010-ATUAL, MENSAL , escala logarítmica

Agora temos o estágio ATUAL.

Vemos que já há uma divergência baixista de IFR14 no tempo MENSAL.

Novos topos do ano passado pra cá , com topo descendente do IFR14






Passemos agora para um passeio nos TEMPOS SEMANAIS nos mesmos períodos.

O Objetivo é avaliar os mesmos IFR'S14, porém associadso com as MÉDIAS MÓVEIS SIMPLES DE 50 períodos


Gráfico SP500 99-2001, SEMANAL , escala logarítmica

Vejam os novos topos no período 1999-2000, com IFR'S14 caindo, configurando divergência baixista de IFR14. 

O Mercado não faz mais novos topos, e sim repiques, a MÉDIA MOVEL SIMPLES DE 50 começa a embicar pra baixo; 

A partir daí, praticament a MA50 serve de balizamento nas quedas seguintes




Gráfico SP500 2006-2008, SEMANAL , escala logarítmica


No período 2006-2008, movimentos semelhantes. Mercados continuam com novos topos a partir de 2006, vão produzindo divergências baixistas de IFR14.

A partir de 2008, não faz mais novos topos, a MÉDIA MÓVEL SIMPLES de 50 embica pra baixo, assim como em 2000 e o mercado segue em queda alucinante, quando a própria MA50 serve de balizamento no repique em 2008






Gráfico SP500 2010-ATUAL  SEMANAL , escala logarítmica


E agora ? 

Temos novos topos a partir do ano passado, com claras divergências baixistas de IFR14 no tempo SEMANAL e uma MÉDIA MÓVEL SIMPLES DE 50 "ainda" em linha reta.

A MA50 embicará pra baixo ? Em quanto tempo ?






Continuemos a brincar com os gráficos e voltar nossa atenção para 3 dos principais espelhos de volatilidade e hedge dos mercados americanos.

Comecemos pelo principal. o índice "VIX"

Apenas tempo SEMANAL, escala logarítmica


Temos um suposto W em formação, assim como no ano passado.

Um eixo do W na faixa de 27 e o VIX voltando pra "ficar batendo" na faixa de 15 e finalmente ganhar força e romper a faixa de 27 ?


Gráfico semanal, escala logarítmica




Índice "VXX" , diário.

Rompimento da primeira LTB, segunda LTB tocada e sentida em forte área de resistência de 15 pontos.. Possível reteste na faixa de 12,50 com novas divergências


Gráfico diário, escala logarítmica



Vamos para o "VXZ".

O gráfico fala por si só....

Nova e forte direção baixista nos últimos 10 meses com fortes divergências altistas na linha MACD, em IFR14 e histograma.

"VXZ", SEMANAL , escala logarítmica





Não é preciso rememorar aqui sob quais fundamentos a Economia Mundial está apoiada nos últimos 2-3 anos.

Muitos deles, de conhecimento de todos, como estímulos monetários, injeções de liquidez e operações twists de vários Bancos Centrais,  enfim, uma verdadeira máquina de "fazer" e imprimir dinheiro absolutamente insana e "non sense".

E o que acontece ? No mês seguinte, são necessários mais e mais estímulos monetários, mais injeções de liquidez e mais operações twists, simplesmente porque as anteriores não foram suficientes.....


Eu sei o que vocês fizeram no verão passado............








sábado, 28 de julho de 2012

O leitor Marcelo Massad alerta para as divergências do "Dow Transports"

Recebi um email do leitor Marcelo Massad e, dada sua relevância, compartilho com vocês.

O leitor chama a atenção para as divergências do índice "Dow Jones Transportation Average", resumidamente conhecido por "Dow Transports".

O "DJTA" (Dow Jones Transportation Average) representa o índice que acompanha as empresas do setor de transportes. (ver : http://www.nasdaq.com/reference/IndexDescriptions.stm)

Em tese, deveria ter uma correlação próxima ao Dow Jones.

Quando isso não acontece, é relevante destacar.

E ísso que o leitor Marcelo Massad faz.

Enquanto o Dow Jones vem fazendo novos topos nos últimos 50 dias, o "DJTA" não. Ele destaca também um triângulo que foi rompido pra baixo;  agora nesse rally da última semana, a alta teria apenas tocado a linha de retorno da LTA curta rompida.

Coloquei 2 gráficos abaixo. Um mais restrito aos últimos 6 meses com esses destaques.

Vejam o triângulo, e os topos descendentes do DJTA, diferente do Dow Jones.

Aproveitei pra alongar o gráfico e chamar a atenção para o período de jul-agosto do ano passado.

Vejam que o DJTA também apresentou topos descendentes, enquanto o Dow Jones fez um topo duplo lá em jul-ago de 2011

Querem ver outro detalhes interessante a partir desse resgate do leitor ?

Vejam que para o DJTA, a média móvel simples de 50 já cruzou pra baixo a sua média móvel simples de 200, diferente do Dow Jones, embora elas já estejam muito próximas, assim como em julho do ano passado, antes da forte queda.


Dow Jones, gráfico diário , escala logarítmica - 2009-2012


Dow Jones Transportation Average, gráfico diário , escala logarítmica - 2009-2012





Dow Jones Transportation Average, gráfico diário , escala logarítmica- fev-jul-2012








sexta-feira, 27 de julho de 2012

O Massacre nos vendidos ou o beijo da morte ?

O que vocês acharam do dia de hoje, ou melhor dos últimos 2 dias ?

Podemos ver por 2 ângulos:

Houve um massacre nos vendidos, principalmente pra aqueles que montam posições curtas e tiveram que zerar, principalmente ontem no final da tarde nos mercados europeus, ou hoje à tarde no meio do pregão dos mercados americanos e brasileiros.

Vários rompimentos de pivots de vários papéis provocaram uma corrida e uma disparada de todos ou quase todos os papéis no mundo todo.

Mas, podemos ver de uma outra forma.

"O Beijo da morte"...

Ou alguém pode imaginar que o movimento de ontem e hoje tem alguma relação com uma "tendência de alta" ?

Alguns gráficos que colocarei adiante mostram o tamanha da insanidade.

Candles de alta "colossais" em 2 dias........

Vou escrever mais no fim de semana, mas quero deixar alguns aperitivos......

Vejam que o intervalo de alta nos últimos 50 dias têm sido cada vez mais estreitos em vários mercados   ao longo do mundo....

Isto é.......Há´cerca de 50 dias, tínhamos um movimento de alta em 6,7, 8 candles.......depois queda....

Há cerca de 30 dias, tínhamos, logo após a queda, 5-6 candles de alta, e mais queda......

Há cerca de 15 dias, tínhamos 3-4 candles de alta, e mais queda........

Agora, quase todos, ou todos os mercados subiram em 2 candles.......

Vejam alguns mercados: BOVESPA, Dow Jones, DAX Alemanha e CAC França


Certamente, isso não vai terminar bem............




Bovespa Gráfico Diário, escala logarítmica



Dow Jones Gráfico Diário, escala logarítmica




DAX Gráfico Diário, escala logarítmica




CAC França - Gráfico Diário, escala logarítmica






Agora, algumas palavrinhas rápidas como complemento

Começo com o gráfico do índice "VXX".....

Rompeu a LTB curta no início da semana......sentiu um pivot na faixa de 15, que coincidia com uma LTB mais longa, e praticamente vem tocar um fundo duplo....

Deve testar esse fundo duplo na segunda, na faixa de 12,50......

Mais divergência altista deve ser produzida, em cima de outras inúmeras e insanas divergências altistas.

Mais adiante colocarei um aperitivo do Dow Jones....

Numeros do Dow Jones, ainda com espaço pra buscar 13.250
Bovespa ainda com espaço pra buscar 57.600


VXX, Gráfico diário, escala logaritmica



Dow Jones, gráfico MENSAL, escala logarítmica








quinta-feira, 26 de julho de 2012

Tá bonitinho o canal de alta do Dow Jones......até ver Hedge, MA50 e MA200


Interessante como esses algoritmos chamam comprador.....

Vejam que canalzinho bonito de alta do Dow Jones.....

Mas ele fica bonito na foto se não olharmos a Média móvel simples de 50 já muito próxima da média móvel simples de 200 como coloquei abaixo.

Mais ainda....

Ele não fica nada muito se agregarmos 2 dos principais índices de hedge mais abaixo destacados também, o VXX e o VIX

Já com suas LTB'S cortadas, como temos alertado aqui ao longo dos últimos 3 dias,  índices voltam-se para suportes antes tocados.

O "VXX" pronto pra retestar a faixa de 12,50, formar um fundo duplo e colocar mais "lenha na fogueira" nas inúmeras divergências altistas de MACD, histograma e IFR14, tanto no diário como no semanal, apresentadas nos últimos 5-6 meses.

O "VIX" pronto pra retestar a faixa de 16,20 novamente....



Dow Jones, Gráfico diário, escala linear




 "VXX", Gráfico diário, escala logarítmica



"VIX", Gráfico diário, escala logarítmica





A Sinfonia da Volatilidade ainda em curso......

A Obra final.......

by Queen,

Scaramouch, Scaramouch will you do the fandango
Thunderbolt and lightning, very, very frightening me
Galileo, Galileo

Galileo, Galileo
Galileo, Figaro, magnifico











Bandas estreitando no Semanal do Índice "CRB"

Vejam abaixo gráfico índice Commodities "CRB" já estreitando no semanal.

Índice praticamente bateu semana passada numa LTB longa, sentiu e no diário, como destacado apresenta, com esse rally dos últimos 20 dias, uma divergência de histograma, com toque do IFR14 na faixa de 70.



"CRB" Gráfico diário, escala linear



 "CRB" Gráfico semanal, escala linear







Grécia com 90% de chances de sair da Zona do Euro, diz Citibank

90% de chances

Ou seja, 10% é a chance da Grécia de ficar na zona do Euro nos próximos 12-18 meses, segundo o Citibank

Isso, depois da Economia afundar pro "inferno", cortar a carne, os ossos e mais alguma coisa de seu orçamento.

Nada......nada serviu para evitar a previsão do Citibank........

Bem......talvez se mandar todo mundo pra casa, suas chances aumentem para, algo em torno de 40%....

Crédito: Bloomberg


http://www.bloomberg.com/news/2012-07-26/greek-budget-talks-stumble-as-citigroup-sees-euro-exit-at-90-.html



Greek Budget Talks Stumble As Citigroup Sees Euro Exit At 90%
By Marcus Bensasson and Maria Petrakis - Jul 26, 2012 1:03 PM GMT-0300


Greek political leaders struggled to clinch agreement on an 11.5 billion-euro ($14 billion) package of budget cuts, as international creditors began a review of Greece’s progress that may determine its future in the euro.


Prime Minister Antonis Samaras and his coalition partners, Evangelos Venizelos of Pasok and Fotis Kouvelis of Democratic Left, are to meet again on July 30 to determine the savings required to receive the funds pledged under Greece’s two rescue packages totaling 240 billion euros.


“All want to contribute to achieving fiscal targets,” government spokesman Simos Kedikoglou told reporters in Athens today after the three leaders were briefed by Finance Minister Yannis Stournaras. “Everyone is seeking in this negotiation alternative choices so that this happens with a sense of social justice and without further recession.”

Greece, which held consecutive elections in May and June as public opposition to spending cuts grew, risks running out of money without the disbursement of 4.2 billion euros due last month as the first instalment of a 31 billion-euro transfer. Citigroup Inc. (C) said there’s now a 90 percent chance Greece will leave the euro in the next 12 months to 18 months.

Stournaras briefed the party leaders after holding talks with the “troika” of officials representing the euro area, the European Central Bank and the International Monetary Fund on the progress of budget cuts so far and Greek aims to secure more time to implement reforms.

Greeks ‘Bled’

“We are not done,” Kouvelis told reporters. “The economic situation is extremely difficult but society on the other hand can’t stand being bled anymore.”

Since forming his coalition government, Samaras has promised more asset sales to pay down debt and help finance an additional two years to the program agreed with creditors to restore economic health. He’s trying to avoid the across-the- board pay and pension cuts that have driven the country into the worst recession since World War II.

Greece’s two elections in six weeks derailed planned reforms, halted state-asset sales and fanned concerns over whether the country can remain in the 17-nation euro bloc.
Failure to satisfy the troika on budget cuts and other reforms promised under the two packages may threaten Greece’s place in the euro. Samaras was meeting today with European Commission President Jose Barroso, who is on the first visit to Greece by a senior European Union official in more than a year.

Patience Lost


Citigroup updated its forecast for a Greek exit from the currency area from a previous estimate of 50 percent to 75 percent, and said it would most likely happen in the next two to three quarters. The bank assumes a Greek exit would occur on Jan. 1, 2013, while saying that isn’t a forecast of a precise date.

“Before the Greek election, the troika members were willing to be patient while Greece slipped off-program in expectation that the election might produce a government that was able and willing to get the program back on track,” Michael Saunders, chief western European economist at Citigroup in London, said in a note. “It is now fairly clear that these hopes have not been fulfilled.”
Robert Mundell, a Nobel Prize-winning economist, said the Citigroup report doesn’t help the situation.
Euro Debts

“In Greece, getting out of the euro doesn’t change the fact that the debts are in euros,” Mundell said in Athens today. A euro exit and devaluation of a new currency could lead to a doubling of Greece’s existing debt, he said. If Greece defaults, it would make more sense to do it within the euro area, Mundell said.

Venizelos, the head of Greece’s Pasok party and a former finance minister who negotiated the second bailout earlier this year, said continuous talk of Greece leaving the euro area is undermining the country’s attempts to reform its economy as well as hurting other nations.
“Sacrificing Greece will prove suicide for the euro area,” Venizelos said. He said it was imperative that the current bailout plan be extended to the end of 2016.

Greece has to reduce its budget deficit to 7.3 percent of output this year from 9.1 percent in 2011. With the economy shrinking about 7 percent, more than forecast, Stournaras has said the goal is to reach the nominal target of 14.8 billion euros for this year’s deficit, not the ratio.




Prepare-se para o Crash no mercado de ações em 2013, por Jonathan Yates



Artigo escrito no Money Morning na segunda-feira, 23-07, discute, entre outros pontos, sob vários pontos de vista, o Crash do mercado de ações em 2013, apoiado em um ciclo de desaceleração econômica americana inevitável que ocorre a cada 4-6 anos e ações do Fed Americano.

Vejam abaixo:

http://moneymorning.com/2012/07/23/prepare-for-stock-market-crash-2013/

Prepare for Stock Market Crash 2013


JULY 23, 2012
BY JONATHAN YATES, Contributing Writer, Money Morning
Volatile market behavior has increased speculation over whether or not we're headed for "stock market crash 2013" - or even 2012. 

With the Dow Jones down more than 200 points in the first 20 minutes of trading today (Monday), there's certainly reason to believe wild market moves are in our future.

Even without market plunges, we may just be due for an economic growth slowdown and a stock market pullback.

In a recent interview with NewsMax TV, legendary investor Jim Rogers stated that "Every four to six years since the beginning of the Republic, we've had economic slowdowns, we've had recessions. Always. It's coming again. You can add as well as I can - in 2013 or 2014, we're going to have another slowdown, whether it's caused by Europe or who knows what's going to cause it, but it's coming."

Individual investors are already fleeing the stock market on these predictions. Stock mutual funds lost $3.1 billion during the week ended July 3, according to the Investment Company Institute. Investors have now withdrawn money from the stock market for 19 of the past 20 weeks.

Eventually, enough investors will withdraw from stocks and trigger our next big market crash.

The Fed's Role in Stock Market Crash 2013
Contributing to the market mayhem are the monetary policies of the U.S. central bank.

Since 2007, U.S. Federal Reserve Chairman Ben Bernanke has greatly expanded his role and that of his institution.

That is evidenced by the increase in the amount of assets on the Fed's balance sheet, which rose from about $700 billion to around $3 trillion during the past five years.To purchase these assets, all of the needed funds were not appropriated by Congress. Instead the balance sheet was inflated by an accounting mechanism.

This cannot go on forever.

Traditionally, liquidity has always been the answer. But record liquidity, in the form of historically low interest rates, has not accomplished the most important objective of restoring economic health in the United States.

That's because low interest rates, like sub-prime mortgages and credit default swaps, are the proper financial instrument in very limited circumstances. Used too often, and disaster is inevitable.

This will happen with the U.S. Treasury bond market, as such low rates will attract fewer and fewer buyers. When the Treasury bubble eventually pops - as Warren Buffett and others have predicted - that's when the stock market will tank. Higher interest rates will have to be paid, which will lure investment capital away from stocks and into bonds.

In a recent interview with The Wall Street Journal, former Secretary of the Treasury and Secretary of State George Schultz noted that, "It's startling that in the last year, three-quarters of the debt that's been issued has been bought by the Fed and the balance has been bought by other countries, so U.S. citizens and institutions are not on net buying U.S. debt...The Fed doesn't have an unlimited capacity because when it buys the debt what it's doing is monetizing the debt. Sooner or later that has to get out into the economy. Can't be held forever."

That's why you need to prepare for a stock market crash in 2013.




PIB do Reino Unido cai 0,7% no segundo trimestre

Ultimamente as projeções do PIB, em vários países, têm sido decepcionantes.

Resultados reais mostram números piores do que os previstos.

O Reino Unido não foi diferente.

Veja notícia abaixo, crédito, nornal "O Estado de São Paulo" / Reuters

http://economia.estadao.com.br/noticias/economia%20internacional,pib-do-reino-unido-cai-abaixo-do-previsto-no-segundo-semestre-,120547,0.htm


PIB do Reino Unido cai abaixo do previsto no segundo semestre
Queda foi de 0,7% no segundo trimestre deste ano, a maior contração trimestral desde os três primeiros meses de 2009
25 de julho de 2012 | 8h 30

LONDRES - O Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido caiu 0,7% no segundo trimestre deste ano, a maior contração trimestral desde os três primeiros meses de 2009, segundo dados preliminares do Escritório para Estatísticas Nacionais (ONS, na sigla em inglês). Em comparação com o mesmo período do ano passado a produção da economia britânica diminuiu 0,8%. Os resultados foram piores do que a previsão dos economistas consultados pela Dow Jones, que esperavam queda trimestral e anual de 0,3%.

A contração no segundo trimestre ocorre depois de o PIB recuar 0,3% no primeiro trimestre e 0,4% no quarto trimestre de 2011, o que significa que o Reino Unido continua em recessão. A produção está 4,5% abaixo do pico atingido antes da crise, nos três primeiros meses de 2008, e 0,9% menor do que o nível do terceiro trimestre de 2010, imediatamente depois que o novo governo assumiu o poder.

As informações são da Dow Jones.




quarta-feira, 25 de julho de 2012

Linha MACD Bovespa abaixo de zero

Vejam Bovespa, mais uma vez, salva os 52.300, com "cara" de ir na MA50 e na LTB abaixo.

Média móvel sinples de 50 ainda embicada pra baixo e vejam o destaque que fiz sobre a linha MACD.

Ainda abaixo de "zero", o que, em tese, ainda é sinal de "venda".

Gráfico diário, escala linear







Muita paciência: VXX e VIX

Muita paciência........

Índice "VXX" parece "querer" formar um OCO Invertido, com o neckline nessa faixa de 13,80-14,00, pra ganhar força e romper a segunda LTB

VIX volta pra baixo de 20. Importante região para não deixar a tendência de alta curta "morta" é 18,50.
"
Índices de hedge ainda coerentes com um mercado de renda variável andando no "fio da navalha"






"VXX", Gráfico diário, escala logarítmica




"VIX", Gráfico diário, escala logarítmica







terça-feira, 24 de julho de 2012

A Foto do Bovespa numa outra perspectiva


Abaixo, agora a mesma foto do BOVESPA numa outra dimensão

Vemos 2 momentos.

Entre novembro do ano passado e janeiro desse ano tivemos também praticamente 4 toques na faixa de 60 k

Ao longo desses 4 toques, tivemos IFR'S14 descendentes, o que poderia indicar um topo "quádruplo" com divergência baixista de IFR14.

O que foi determinante para a indefinição ?

A Média móvel simples de 50 estava embicada pra cima no tempo diário já desde meados de outubro.

E agora ?

Também temos 4 toques na faixa de 52.300 com aparente divergência altista de IFR14 como destaquei abaixo.

PORÉM TEMOS UMA MÉDIA MÓVEL SIMPLES DE 50 PERÍODOS EMBICADA PRA BAIXO JÁ DESDE ABRIL

Mais abaixo, coloco o gráfico do índice de commodities "CRB", principal referência para as commodities e bom barômetro de nosso Bovespa.

O índice também apresentava desde julho-agosto do ano passado uma "cara" melhor, com MA50 embicada pra cima e com LTB rompida.

Agora, a MA50 ainda se apresenta embicada pra baixo e sentiu a LTB refugando desde o início da semana.


Ainda assim, podemos ainda ter algum respiro, com um novo e possível toque na LTB antes de romper  a faixa de 52.300


BOVESPA Gráfico diário, escala linear



"CRB" Gráfico diário, escala linear









FOTO ISOLADA E FRIA DO BOVESPA

Aqui, uma foto fria, isolada do nosso BOVESPA

4 toques na fiaxa de 52.300

E aí, vai romper pra baixo ?

O que vocês acham ?

VAMOS DESTRINCHAR ESSA FOTO NO POST SEGUINTE


Gráfico diário, escala linear






Dow Jones segura num canal de alta e SP500 toca MA50


Vejam esse canalzinho de alta do Dow Jones.

Hoje, Dow Jones segurou nessa LTA curta.

SP500 também se segurou ainda numa LTA curtinha e ainda tocon novamente sua média móvel simples de 50 períodos

Como continuo analisando ambos os índices em conjunto com os índices de hedge, como visto em post anterior, esse canal de alta não me convence.


Gráfico diário, escala logarítmica



Gráfico diário, escala logarítmica









VIX rompe pivot de 20 no fechamento e VXX toca segunda LTB

Abaixo, vemos o "VIX" romper no fechamento o pivot principal de 20.

Ontem já havia rompido a LTB curta.

Devendo o rompimento da faixa 21-22. Faixa principal ainda 27.

VXX bateu na segunda LTB mais longa e refugou. Essa linha da LTB coincide com faixa importante, a faixa de 15.

Em relação ao VIX, me parece que ainda falta voltar e retestar a faixa de 20. o que possivelmente deve dar algum refresco aos mercados americanos por 1 ou 2 dias.


Raciocínio semelhante para o "VXX". Cair um pouco mais para ganhar forças e romper essa segunda LTB.


Tais movimentos produzirão possivelmente um refresco para os mercados americanos por 1 a 2 dias.

Ou seja, uma briga possível entre 1.326/1.330 e 1.350 para o SP500 antes de buscar 1.266 e romper pra baixo.


O mesmo vale para o Dow Jones; ainda deveremos ver alguma briga por 1 a 2 dias entre 12.500 e 12.700 antes de romper pra baixo a faixa de 12.500 e finalmente a faixa principal de 12.030.





"VIX "Gráfico diário, escala logaritmica



"VXX "Gráfico diário, escala logaritmica









Grécia terá de renegociar dívida mais uma vez



Grécia não tem como pagar........de novo.......


Crédito: Portal UOL- Reuters

http://economia.uol.com.br/ultimas-noticias/redacao/2012/07/24/grecia-tera-de-renegociar-divida-mais-uma-vez.jhtm


24/07/2012 - 16h09
Grécia terá de renegociar dívida mais uma vez
Do UOL, em São Paulo


A Grécia não deve conseguir pagar o que deve e uma renegociação da dívida deverá ser necessária, disseram três autoridades da União Europeia (UE) à agência de notícias "Reuters" nesta terça-feira (24) . 

Em um acordo aprovado em fevereiro com União Europeia (UE) e Fundo Monetário Internacional (FMI), a Grécia se comprometeu a realizar mais cortes de gastos e elevar impostos em troca de uma redução de US$ 100 bilhões em sua dívida. Mas o país europeu está longe de alcançar essa meta até 2020, disseram as autoridades.

Segundo anteciparam fontes, as autoridades da UE e do FMI que avaliam o país acreditam que a Grécia está de longe de cumprir com as "obrigações". Inspetores da Comissão Europeia, do BCE e do FMI --que formam a troika-- retornaram a Atenas nesta terça-feira e irão completar sua análise sobre a sustentabilidade da dívida no próximo mês.

Uma autoridade citou as últimas estimativas de crescimento de Atenas, que mostram a economia contraindo 7% este ano, em vez de 5% projetado previamente, revelando que a dívida só está aumentando em relação ao Produto Interno Bruto (PIB). "Nada foi feito na Grécia nos últimos três ou quatro meses", disse uma autoridade à Reuters.

Opções reduzidas
O FMI poderia decidir abandonar o segundo programa de resgate, após afirmar que seria inaceitável que a Grécia não alcançasse suas metas novamente. Com isso, os países-membro da zona do euro e o BCE seriam os únicos a arcarem com o custo do resgate.

Nesse caso, a única maneira de estabilizar a economia grega e manter o país na zona do euro seria se o BCE e os países-membros assumissem que não irão receber parte de dívida grega ou alterassem os termos dos empréstimos para conceder a Atenas ainda mais tempo para quitar sua dívida a juros mais baixos.

Embora ainda não se tenha discutido formalmente a respeito do chamado envolvimento do setor oficial, duas possibilidades foram mencionadas -- que o BCE assuma uma redução de valor dos US$ 40 bilhões em bônus gregos que possui; ou que países-membros melhorem os termos de seus empréstimos a Atenas.

(Com informações da Reuters)





Bill Gross sobre atividade em Richmond: "Um desastre"


A notícia divulgada pela manhã de que a atividade industrial de Richmond caiu 16 pontos foi considerada por Bill Gross, executivo-chefe da PIMCO, um deastre.

Segundo ele, isso pode significar um PIB americano caminhando para "zero".

Mais abaixo, a veiculação da notícia, crédito jornal "BRASIL ECONÔMICO"

http://www.brasileconomico.ig.com.br/noticias/atividade-industrial-de-richmond-recua-em-julho_119801.html

Veja abaixo no twitter da PIMCO:

https://twitter.com/PIMCO/status/227771879665057793





Gross: Richmond Fed Survey this AM was disastrous – implies GDP inching close to 0%.

A fantástica IBM em pontos perigosos e referência do Dow Jones



Quando o Dow Jones "precisa" ser levantado, procura-se quem ?

IBM ! A Fantástica IBM........

Com 11,35% de participação no índice Dow Jones (ver : http://indexarb.com/indexComponentWtsDJ.html), é "relativamente fácil" mexer com os algoritmos pra "calibrar" o Dow Jones......

Pois sim......

IBM já apresenta em Nova York movimento perigoso. Topos e fundos descendentes, Média móvel simples de 50 muito próxima de cruzar a de 200 períodos, aproximando-se de suportes-divisores importantes e com uma LTA longa não muito distante





IBM Gráfico diário, escala linear



IBM Gráfico semanal, escala linear













FMI destaca possível bolha imobiliária no país


Mais discussões sobre o atual estágio de crédito no Brasil.

Percebam ..

Antes, há 2 anos, não havia discussão....

Demanda.....demanda....demanda........O Brasil tem pouca oferta de imóveis.....comprem....comprem......a demanda é forte......

Há 1 ano, pegava-se 1 discussão aqui, outra lá do outro lado, assim, timidamente.......

Agora, começam a pipocar discussões sobre uma "possível" bolha imobiliária......


Crédito: Jornal "Brasil Econômico"

http://www.brasileconomico.ig.com.br/noticias/crise-de-credito-imobiliario-nao-e-descartada-no-brasil_119776.html


Economia
Crise de crédito imobiliário não é descartada no Brasil
Niviane Magalhães   (nmagalhaes@brasileconomico.com.br) 
23/07/12 20:13


FMI destaca possível bolha imobiliária no país e compara com os Estados Unidos que, em 2008, tinha pequena parte da população com dívidas no setor.


O Fundo Monetário Internacional (FMI), em relatório divulgado na sexta-feira (20/7), afirmou que o crédito no Brasil cresceu rapidamente nos últimos anos, mas os empréstimos em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) estão diminuindo desde 2008 e deve continuar relativamente baixo em relação aos padrões internacionais.


O documento aponta que a concessão de crédito ao consumidor tem aumentado fortemente, o que corresponde hoje a 46% do total, contra 23% em 2002. Diante deste avanço, o Fundo alerta para o endividamento dos consumidores, que excede 40% da renda.


O FMI destaca ainda os empréstimos imobiliários para a baixa renda e a forma de concessão, questionando se essas famílias conseguirão quitar as dívidas.

"Vejo que o FMI está fazendo esse alerta para o futuro, pois está comparando com o que já aconteceu nos Estados Unidos e na Europa. Aqui no Brasil, os empréstimos imobiliários respondem por apenas 5,5% do PIB, mas nos Estados Unidos, em 2008, o nicho também era pequeno e quando estourou a crise da dívida imobiliária, nem US$ 3 trilhões ajudaram e vários bancos quebraram", explicou Manuel Enriquez Garcia, presidente do Conselho Regional de Economia (Corecon) e da Ordem dos Economistas do Brasil.

Apesar do número ser baixo, Garcia diz que a política deveria ser modificada. "O governo não está dando ênfase ao investimento público e o privado está reduzindo porque a expectativa com o futuro está cada vez pior. Ao invés de estimular a poupar, o governo incentiva a gastar e é isso que chama a atenção do FMI".

A falta de estímulos à poupança está preocupando diversos economistas desde o início do ano. "O que cria riqueza ao país é o investimento. Alavancar os gastos só é bom no curto prazo", conclui.

De acordo com Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados, este ponto ainda não preocupa a economia brasileira. Para ele, antes dos consumidores de baixa renda deixarem de pagar o imóvel, eles vão parar de pagar outros bens, como os carros. Isso já vem acontecendo, com alguns deles tendo que devolver o veículo, mas é pontual.

"Um fato que prejudicaria o setor imobiliário seria o aumento do desemprego. Por enquanto, o crédito imobiliário é muito baixo e os bancos são criteriosos, não dão crédito a qualquer pessoa, como foi nos EUA", ressalta o economista.

No entanto, Vale aponta para possível afrouxamento por parte dos bancos públicos, que estão afoitos em estimular a economia. "No futuro, isso pode acontecer. Sempre acreditei que uma crise possível no Brasil viria do afrouxamento da regulação bancária, mas ainda estamos longe de qualquer coisa parecida com isso", completa.

Já a sondagem feita pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) sobre o mercado de crédito é positiva. A entidade antecipa os resultados que serão anunciados pelo Banco Central nesta quinta-feira (26/7). Segundo a Febraban, se os números se confirmarem poderá indicar que o esperado processo de retomada da economia já está em andamento.

A Federação mostra que o crescimento dos empréstimos para pessoa física deverá ser 1,2% em junho, em relação a maio. Já em relação à pessoa jurídica, a alta alcançará 2,7% na mesma base de comparação.





Índice "IBEX" da Espanha brigando novamente com 6.000 pontos

O principal índice do mercado espanhol de ações, o IBEX, ao longo da manhã de hoje, 24/07, continua brigando com o suporte de 6.000 pontos.

Abaixo dele, nada muito forte, exceto a faixa de 5.400 pontos, uma distância de aproximadamente 10%, fundo em 1997 e 2002-2003.

Vejam a Linha MACD no tempo MENSAL, abaixo de "zero" há mais de 3 anos



Gráfico Mensal. escala linear