terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Dow Jones, CAC França e FTSE Londres perderam suas LTA's






Vejam acima, situação nada tranquila para os mercados no mundo.

Dow Jones, CAC França e FTSE de Londres perderam suas LTA's de curto prazo. Todos esses índices já com MACD cruzado na venda no diário, porém ainda dentro de uma LTA maior de MACD.

VIX tentou mais uma vez romper sua LTB e ainda fechou abaixo.

Abaixo , também DAX próximo a sua LTA e Bovespa "andando" na sua LTB maior.

Mercados perigosíssimos na compra.






Agora, a Grécia fala num corte de mais de 70%

"É meu povo "!

Agora, a discussão gira em torno de um "calote" de mais de 70% da dívida grega.

Era 50% no fim do ano passado.

Virou 70% no inicio desse ano.

Agora, já se fala em mais de 70%.

Paga logo em dracma e sai da Zona do Euro.

Não esqueçam que vão levar juntos Portugal, Espanha e Itália.

Ora......o raciocínio é simples, dirão os portugueses, os espanhóis e os italianos:

"Se nós estamos cortando na carne, nos ossos e onde mais puder e estamos pagando, por que eles são melhores que nós ?.......ahhh....então, não pago também !"...

Veja, notícia publicada agora há pouco pela Reuters:

http://www.reuters.com/article/2012/01/31/us-greece-finmin-idUSTRE80U1RW20120131


Greece says investor losses from debt swap may top 70 percent


ATHENS | Tue Jan 31, 2012 1:12pm EST
(Reuters) - Greece's private sector creditors could take a loss of more than 70 percent in a planned debt swap, Finance Minister Evangelos Venizelos said on Tuesday.


"There is a very serious discussion based on new facts. We are talking about a PSI much greater than the original," he told lawmakers, referring to private sector involvement in the deal.


"We are talking about a haircut on the net present value exceeding 70 percent," he said. 



segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Dow Jones ainda acima da LTA e Vix abaixo da LTB




No fechamento, o índice Dow Jones ainda permaneceu acima da LTA de curto prazo, embora ficasse boa parte do dia abaixo.

Na direção oposta, o índice VIX abriu acima da importante faixa de 20, bateu na LTB de curto prazo outra vez, sentiu, e fechou abaixo.


domingo, 29 de janeiro de 2012

O Bull Market americano em risco, visto pela MA200 caindo e VIX acima de 15

Irei começar a análise desse post de uma forma diferente.

Ontem, andando por alguns sites me deparei com uma análise do índice CRB de commodities. Ali, o analista via uma suposta figura  OCOI, ainda que torta (todas essas figuras são tortas !). Dentro desse contexto, o analista dizia: "Não lute contra o mercado". O raciocínio dele trazia consigo, uma análise otimista e a idéia implícita que o índice vá subir e engatar novas altas.

Veja o gráfico diário do CRB abaixo:




 Ok, ok, ! A análise não está toda errada, porém, há também, por outro lado, uma verdadeira paranóia de que os mercados sempre irão subir e subir e subir. Nesse ponto, eles esquecem de olhar pelo menos gráficos mais amplos, como o semanal e o mensal. Esquecem de colocar outros parâmetros para tentar ver alguma brecha naquele gráfico. Esquecem de tentar "falsificar" o raciocínio em questão.

É nesse estágio que podemos apresntar uma possível "ilusão de ótica".

Recolocarei o gráfico acima, num prazo mais longo, e vejam que a Média móvel simples de 200 períodos está caindo ! Inclusive o índice ainda está abaixo da média, porém, o mais relevante é que a média de longo prazo está caindo ! E ainda temos a Média móvel simples de 50 por baixo da de 200.

Vejam:




 A idéia de que ele possa estar apenas num movimento de correção de alta, dentro de uma tendência de baixa deve ser considerada, ainda que, como visto no gráfico abaixo, a primeira LTB tenha sido rompida; uma outra segunda, que pode fazer parte de um triângulo descendente, não.



O foco momentâneo nas commodities faz sentido, já que representa um forte barômetro do momentum da economia mundial.

Continuando a análise, podemos corroborá-la com mais 3 gráficos diários de 3 das maiores mineradoras do mundo: a Vale, A BHP e a Rio Tinto. Todas com suas médias móveis simples de 200 períodos caindo. BHP e Rio Tinto, ações listadas em Nova York; a brasileira Vale, gráfico BOVESPA brasil.







Vamos olhar a BHP e a Rio Tinto sob a perspectiva de um OCO no longo prazo ?






Já que pelo menos tentamos ter uma nova perspectiva, vamos agora nos situar em que estágio de risco estamos para tentar vislumbrar se os mercados americanos podem de fato ter atingido o topo, dentro desse rally de alta que vem desde março de 2009.

Veja o estágio em que se encontra o índice VIX de volatilidade numa correlação com o SP500.



Desde quando foi criado, o índice só "estressa fortemente" o SP500, quando de fato ultrapassa a faixa de 15. Abaixo de 15, temos um movimento ascendente do SP500 praticamente sem sobressaltos; isso aconteceu nos períodos 94-96 e 2004-2006. Qaundo o indice "estabiliza" acima da faixa de 15, os sobressaltos são maiores, provocando em alguns momentos fortes quedas, indicando, sobretudo, uma reversão no SP500.
O último momento em que o VIX estabilizou acima da faixa de 15 foi no período 97-2004; podemos especular sim que presenciaremos um novo ciclo de 7 anos para o VIX acima de 15; portanto, 2007-2014, o que significa que teremos ainda fortes sobressaltos pela frente, sem a mínima garantia de que o SP500 alcançará novas máximas a partir do topo histórico de 1.576.

Por fim, vamos nos ater ao que aconteceu na semana com o Dow Jones e o SP500.

O Dow Jones praticamente atingiu a máxima do ano passado ao bater 12.840, caracaterizando um possível topo duplo com divergências baixistas de MACD e IFR14 no gráfico mensal, portanto, um forte sinal baixista.



O SP500 bateu numa LTB de longo prazo, na escala logarítmica, tempo mensal também.





Várias especulações ao final da semana sobre a "golden cross", isto é, sobre o cruzamento da  Média móvel simples de 50 sobre a de 200 no SP500. Estamos bem próximos é verdade.

Por isso fiz questão também de registrar o movimento das commodities nessa análise.

Vamos resgatar 2 questões dentro desse contexto:

- A média móvel simples de 200 do SP500 está embicada pra baixo já ha cerca de 6 meses.


- Em 2008, quando a média móvel simples de 200 começou a embicar pra baixo, houve um repique que também levou a média móvel simples de 50 a se aproximar da de 200, porém , em novas quedas, ela voltou a se distanciar.




- Em 2002, o cruzamento da MA50 sobre a MA200 ficou muito próxima também, mas a direção da MA200 prevaleceu e o indice apresentou mais à frente novas quedas.





Resgatamos todos esses gráficos pra deixarmos bem claro que "de bobo", o mercado não tem nada. O volume nos últimos 40 dias lá fora tem sido muito fraco;

Do ponto de vista fundamentalista, vamos fazer as seguintes perguntas e/ou afirmações:

- Quem tá comprando os títulos soberanos dos países endividados europeus ? Apenas o Banco Central Europeu ! Ora, apenas o "emprestador último" dá liquidez a esses papéis.

- Quem vai evitar a desaceleração econômica mundial ? A China ? Ora, a China depende dos europeus, que dependem da China, que depende dos europeus, que dependem da China, que dependende do Brasil, que depende da Europa, que depende da China. Enfim, uma "tragicômica" reflexividade que deve ser lembrada.

-  Quem vai evitar a desaceleração econômica mundial ?  O Brasil ? Ora, o Brasil depende  das commodities, que representa a demanda da China, que impulsionou os mercados emergentes apoiada por uma bolha imobiliária e um crescimento que têm uma data pra acabar. Por consequência, o Brasil, também afetado por uma bolha imobilíária, e por um governo displicente com a inflação, caminha a  passos largos para uma forte desaceleração econômica e um achatamento acentuado do poder aquisitivo da sociedade.

Portanto, não dependam da China, do Brasil, de nenhum dos paises emergentes. Todos estão interligados, todos sofrerão, uns mais, outros menos.

É hora de falsificar "verdades abslutas", é hora de ler Karl Popper.



sábado, 28 de janeiro de 2012

Agora a Grécia precisa de 145 Bi Euro, e não 130 Bi Euro

A cada dia que passa, os detalhes e a situação em torno da Grécia tornam-se mais e mais nebulosos; sempre há um "senão", uma surpresa.

Vejam abaixo na matéria da Reuters que o necessário suporte de 130 Bilhões de Euros de que a Grécia necessitava, já passou para 145 Bilhões.

Então vejamos, como temos relatado aqui semana após semana:

No final do ano passado, o acordo era de um desconto na dívida grega de 50%; já na virada do ano, os gregos disseram que não haveria essa possibilidade e que as conversas teriam que girar em torno de um desconto de 70%.

- Agora, a necessidade não é mais de 130 Bilhões de Euros, e sim de 145 bilhões.


Veja abaixo a matéria:

http://www.reuters.com/article/2012/01/28/us-greece-idUSTRE80P0DE20120128



Greece, creditors laboriously piece together debt deal

By Renee Maltezou and Lefteris Papadimas
ATHENS | Sat Jan 28, 2012 9:21am EST
(Reuters) - Greece and its private creditors head back to the negotiating table on Saturday to put together the final pieces of a long-awaited debt swap agreement needed to avert an unruly default.

After weeks of muddling through round after round of inconclusive talks, the negotiations appear to be in their final phase, with both sides hoping to secure a preliminary deal before Monday's European Union summit.

Prime Minister Lucas Papademos was expected to meet bankers' chief negotiator Charles Dallara at around 1330 GMT (8:30 a.m. EST) on Saturday, before meeting inspectors from the "troika" of foreign lenders pressing Athens to step up painful reforms.

"Today will be another tough day," said George Karatzaferis, leader of the far-right LAOS party, one of three parties in Papademos's emergency coalition government. "We will see whether we can bear the burden that lies ahead."

The debt swap, in which private creditors are to take a 50 percent cut in the nominal value of their Greek bond holdings in exchange for cash and new bonds, is a prerequisite for the country to secure a 130-billion-euro rescue package.

Papademos told Reuters in an interview on Friday he expected the debt talks to be concluded within days.

"We made significant progress over the last few weeks and in the last few days in particular. We are trying to conclude the discussions as quickly as possible. I am quite optimistic an agreement will be reached in the coming days," he said.

But concern has grown that the deal may not do enough to get the country's debt reduction plan back on track, and that Greece's European partners will be forced to stump up funds to cover the shortfall.

The German news magazine Der Spiegel reported on Saturday that Greece's international lenders thought Athens would need 145 billion euros of public money from the euro zone for its second bailout rather than the planned 130 billion euros.

The magazine said the extra money was needed because of the deteriorating economic situation in Greece, echoing a Reuters report on Thursday.

Athens also faces problematic talks with the "troika" of foreign lenders - the European Commission, IMF and European Central Bank - who have warned it needs to do more to drive through painful reforms before they dole out any more money.

"It's all very dense, difficult and crucial," a Greek finance ministry official said. "There is optimism because the country needs to survive and we need to protect its citizens because they have suffered a lot."

Athens and its creditors have broadly agreed that new bonds under the swap would probably have a 30-year maturity and a progressive interest rate. The deal is aimed at chopping 100 billion euros off Greece's crushing 350-billion-euro debt load.

But they have wrangled for weeks over the interest rate Greece must pay on the new bonds and pressure has grown in recent days on the European Central Bank and other public creditors to accept a cut in the value of their Greek bond holdings like the private sector creditors.

A debt deal must be sealed in about three weeks as Greece has to repay 14.5 billion euros of debt on March 20. Otherwise Greece will sink into an uncontrolled default that might spread turmoil across the euro zone.

Papademos promised on Friday this would not happen. "Greece will not default," he said.

International Monetary Fund Managing Director Christine Lagarde said on Saturday that euro zone members were making progress to overcome their crisis but must do more to strengthen their financial firewall, adding that the IMF was ready to help.

"There is progress as we see it," Lagarde told a panel discussion at the World Economic Forum in Davos.

"But it is critical that the euro zone members actually develop a clear, simple, firewall that can operate both to limit the contagion and to provide this sort of act of trust in the euro zone so that the financing needs of that zone can actually be met."

Senior euro zone officials have expressed optimism on the Greek debt deal, though previous predictions of an imminent agreement have failed to become reality.

Greece is in its fifth year of recession, and hopes of an end to the crisis in the near term have virtually gone, because of the combination of squabbling politicians, rising social anger and its inability to get its debt load under control.

Germany is pushing for Greece to relinquish control over its budget policy to European institutions as part of discussions over a second rescue package, a European source told Reuters on Friday.

Greece said such a move was out of the question, adding that a similar proposal had been made in the past by a Dutch minister without getting anywhere.

"There is no way we would accept such a thing," a Greek government official told Reuters.



sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

A Fuga dos commodities

Um sinal forte de que estamos na iminência e posterior consolidação de um bull market é dado por uma procura e alta consistente em várias classes de commodities.

Por outro lado, o inverso também é verdadeiro; a fuga das commodities pode sinalizar que "ventos estão mudando" e que a queda de várias classes de commodities sinaliza uma rearrumação na economia, cuja a consequência natural e de médio-longo prazo, é uma forte desaceleração econômica.

 O artigo abaixo  publicado hoje no "Wall Street Journal" indica isso:

http://online.wsj.com/article/SB10001424052970203363504577185204034767844.html?mod=WSJ_hp_LEFTWhatsNewsCollection

By Jerry A.Dicolo

The commodities market is shrinking.

Amid plunging prices and soaring volatility, investors and traders reduced bets on 13 key commodity contracts by 19% in 2011, according to a Wall Street Journal/Dow Jones Newswires analysis of U.S. Commodity Futures Trading Commission data. The data show so-called open interest, or the number of futures and options contracts outstanding in each commodity.

The exodus was the biggest in at least 12 years, outpacing the flight seen in 2008 during the financial crisis, the data show. And it came from a range of commodities—from crude oil to copper to cotton.

Investors of all stripes ...

It's The End of the World ?








Gráficos Mensais, escalas logarítmicas.

Topo duplo no Dow Jones com divergências baixistas de MACD e IFR14.



Figura "M" a ser configurada ?



SP500 , LTB tocada no mensal.

It's The End of the World ?









quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Dow Jones testa faixa 12.800



Dow Jones testou a faixa de 12.750-12.800 e sentiu forte, fechando abaixo da faixa.

Caso queiramos ser mais rigorosos, testou "por baixo" os 12.870 de maio-2011.

Muita atenção agora na LTA maior que assinalei acima, e numa LTA de MACD, também assinalada


Bovespa - teste em LTB mais longa


Gráfico semanal, escala linear.



O VIX bateu no mesmo ponto de Jan-2010






A mínima do índice VIX feita hoje praticamente é o mesmo ponto da mínima em Jan-2010.

Veja acima o toque em Jan-2010 e a fortíssima alta do índice nas 3 semanas seguintes. Com a disparada do VIX, O SP500 caiu cerca de 10% nas 3 semanas seguintes.

Veja também as fortes divergências altistas de histograma e IFR14 que o VIX já apresenta no diário.
No semanal, também já há divergência altista de histograma.


quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

O Triângulo descendente da VALE5 no Mensal




A Especulação de um triângulo descendente no gráfico mensal, escala aritmética da VALE5 teria como objetivo o patamar de R$ 20.


O Toque na LTB Mensal do SP500






Acima, hoje, finalmente o toque na LTB mensal do SP500 em escala logarítmica.

Dow Jones também em seu forte divisor de 12,750/12.800

Agora, é a hora de saber quem está mandando.

Rompendo essa LTB, significa que a faixa de 12.750/12.800 também será rompida, e a bola definitivamente estará com os bulls.

Por fim, veja o gráfico semanal do SPXA50R acima.

Vejam que mesmo diante de um forte rally de alta do SP500 nos útlimos 30 dias, o SPXA50R mostra um topo abaixo do topo anterior, o que evidencia uma forte divergência em relação ao rally de alta do SP500.



terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Acordo "voluntário" com a Grécia muito, mas muito distante

Veja notícia abaixo:


Crédito: Reuters



Euro zone ministers reject private bondholders' Greece offer


By Jan Strupczewski and Andreas Rinke
BRUSSELS/BERLIN | Mon Jan 23, 2012 8:40pm EST
(Reuters) - Euro zone finance ministers Monday rejected as insufficient an offer made by private bondholders to help restructure Greece's debts, sending negotiators back to the drawing board and raising the threat of Greek default.


At a meeting in Brussels, ministers said they could not accept bondholders' demands for a coupon of four percent on new, longer-dated bonds that are expected be issued in exchange for their existing Greek holdings.

Banks and other private institutions represented by the Institute of International Finance (IIF) say a 4.0 percent coupon is the least they can accept if they are going to write down the nominal value of the debt they hold by 50 percent.

Greece says it is not prepared to pay a coupon of more than 3.5 percent, and euro zone finance ministers effectively backed the Greek government's position at Monday's meeting, a position that the International Monetary Fund also supports.

Jean-Claude Juncker, the chairman of the Eurogroup countries, said Greece needed to pursue a deal with private bondholders where the interest rate on the replacement bonds was "clearly" below 4.0 percent, stating:

"Ministers asked their Greek colleagues to pursue negotiations to bring the interest rates on the new bonds to below 4 percent for the total period, which implies the interest comes down to well below 3.5 percent before 2020."

The aim of the restructuring is to reduce Greece's debts by around 100 billion euros ($129 billion), cutting them from 160 percent of GDP to 120 percent by 2020, a level EU and IMF officials think will be more manageable for the growth-less Greek economy.

But with Greece off-track in its efforts to get its budget deficit in shape, the 2020 goal looks a long shot at best.

The disagreement increases the risk that it will prove impossible to strike a voluntary restructuring deal between Greece's creditors and the Greek government - an outcome that would have severe repercussions for financial markets.

Negotiations over what's called 'private sector involvement' (PSI) have been going on for nearly seven months without a concrete breakthrough. Failure to reach a deal by March, when Athens must repay 14.5 billion euros of maturing debt, could result in a disorderly default.

Despite the disagreement, Olli Rehn, the European commissioner in charge of economic and monetary affairs, said he expected a deal on PSI to be struck "within days."

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Petróleo Light Cruide testou linha de retorno da LTA perdida


Índice Commodities novamente na LTB


O quadro dos depósitos junto ao Banco Central Europeu





Fonte: Thomson Reuters

Vejam acima o quadro que mostra o comportamento dos depósitos dos bancos junto ao Banco Central Europeu, assim como a disponibilidade dos empréstimos feitos pelo mesmo.

Expus o gráfico diário do Dow Jones com os 2 principais momentos que separei no quadro:

- Fev-Mar-2011 , com a disparada das disponibilidades, e uma forte correção de 8,5% do Dow Jones num período muito próximo
- Maio-Jun/2010 , com a disparada dos depósitos junto ao Banco Central Europeu, e, praticamente na mesma época, uma correção forte de aproximadamente 14% do Dow Jones.

Vejam agora em que patamar se encontram os mesmos itens:

- A disponibilidade apresentada pelo Banco Central Europeu se encontra no mesmo patamar de Fev-mar-2011

- Os depósitos junto ao Banco Central Europeu se encontram num nível recorde de meio trilhão de Euros !


domingo, 22 de janeiro de 2012

Uma visão baixista do BOVESPA



No post abaixo, quando fiz a análise do Dow Jones e do Bovespa, apresentei um "suposto" canal de alta em formação para o BOVESPA.

Vamos mudar o enfoque ? Ver com outros olhos ?

Bem.....quando houve o rally desde dezembro de 2008, o BOVESPA foi la testar a região dos 74. Topou primeiro com a região dos 70 k, quando tocou 71 mil pontos; depois foi nos 73 k. Nesse momento, podemos ver , no gráfico mensal acima, em escala logarítmica, uma divergência de MACD, histograma e IFR14.

Dali em diante, o Bovespa só fez cair até a região dos 48 k.

Vejam que, uma vez traçado um canal de baixa a partir do primeiro toque dos 58 k, ali em meados de maio/2010, até o toque nos 47.500 em agosto de 2011, e depois traçarmos uma paralela, teremos o toque hoje exatamente na casa dos 62.500. Onde estamos exatamente hoje.

Enfim, fiquem com essa reflexão.



sábado, 21 de janeiro de 2012

As conversas entre Grécia e credores serão por telefone ?

Segundo matéria publicada agora há pouco pela Reuters, as conversas entre a Grécia e os principais credores de seus títulos, não chegaram a um denominador comum.
Ora, ao longo de toda a semana, dizia-se que esse fim de semana seria o limite "derradeiro" para que as partes chegassem a um acordo.

Parece que nada mais uma vez. Nada.

Ah, "espere um momento" !

Diz a mesma matéria que as conversas continuarão pelo telefone ao longo de hoje e amanhã !
Sim , pelo telefone !!
Ora, se não chegaram a um acordo face a face, pessoalmente, vocês realmente acham que pelo telefone vai se chegar lá ?

Acho que é infinitamente mais provável que todos passem em suas casas, peguem suas esposas, filhos e curtam um bom restaurante, do que pensar em "bater papo" com os gregos pela "enésima" vez.


Veja matéria da Reuters:

http://www.reuters.com/article/2012/01/21/us-greece-idUSL6E8CL02J20120121



Greece's creditors leave Athens, talks to continue


By Sophie Sassard and Dina Kyriakidou
LONDON/ATHENS | Sat Jan 21, 2012 8:36am EST
(Reuters) - The representatives of Greece's private creditors left Athens unexpectedly on Saturday without a deal on a debt swap plan that is vital to avert a disorderly default, sources close to the negotiations told Reuters.


Negotiations will continue over the phone during the weekend but it is unlikely that an agreement can be clinched before next week, the sources said, as Athens races against the clock to strike a deal.

A lot of progress has been made on the details of the plan during talks between Athens and Institute of International Finance chief Charles Dallara, sources say, but any deal needs the approval of the IMF and euro zone countries, who insist on a substantial cut in the debt load.

The IMF and EU countries, and in particular the bloc's paymaster Germany, want to make sure the deal puts Greece's derailed finances back on a sustainable track before they agree to a new, 130-billion euro bailout, which is also crucial to avoid a messy default.

The IMF insists the debt swap deal must ensure Greece's debt burden will be cut to 120 percent of GDP by 2020 from 160 percent now, as agreed at an EU summit in October, and has warned that this is made more difficult by the fact that Athens' economic prospects have deteriorated since.

"Things are complicated, we are getting closer on the numbers but there is still quite some work ahead," one source close to the talks said. "Discussions will continue over the phone this weekend but an agreement is unlikely before next week, if there is an agreement at all."

A meeting Monday of euro zone finance ministers will be crucial for the debt swap talks.

"We will want to test the waters among member states because given the complex connections between private sector and official funding elements, we have to have the backing of member states for a deal," a senior EU source told Reuters.

"The outcome in terms of achieving the debt-to-GDP target will depend on how the debt sustainability analysis is constructed, which is not a precise science but at most a form of art," the source said.

A new analysis of Greece's debt sustainability could be ready before Monday's Eurogroup, or by mid-week, the source said.

The IIF said on Friday that the elements of the deal were coming into place, adding: "Now is the time to act decisively and seize the opportunity to finalize this historic deal and contribute to the economic stability of Greece, the euro area and the world economy."

The statement seemed to be addressing Greece's official lenders, the EU and the IMF, who have driven a hard bargain behind the scenes of the negotiations, insisting that the deal must slash Greece's debt substantially, sources in Athens said.

"The euro zone ministers will examine the proposal and say whether we have a deal. If they say we don't, we're back to the negotiating table," said a banking source close to the talks.

Private bondholders will likely take a hit of 65 to 70 percent on their holdings, with Greece's new bonds featuring 30-year maturity and a progressive coupon, or interest rate, averaging out at 4 percent, another banking official close to the talks told Reuters.

A 15 percent cash sweetener will be made up of short-term bonds from Europe's temporary bailout fund, the European Financial Stability Facility (EFSF), two sources told Reuters.

Haggling over the coupon had held up the long-running talks as Greece raced to wrap up an agreement, raising the prospect of a messy default when Athens faces 14.5 billion euros ($18.5 billion) of bond repayments in March.




A coincidência do Topo Duplo do Dow Jones e da LTB do SP500 no mensal








A semana que passou mostrou algumas coisas interessantes.

Os bulls começaram a dizer que o pior já passou, os governos mundiais injetaram bilhões de dólares e euros, as empresas têm apresentado bons resultados financeiros, a despeito da crise econômica mundial e, agora, engataremos um movimento sólido de alta.

Os bears argumentarão que nada mudou, e que alta da semana e do mês foi apenas um movimento de manipulação do mercado, a imensa maioria dos governos continua atolada em dívidas, a impressão de moeda apenas tem o efeito de postergar os problemas, enfim.

Por ora, vamos nos ater aos gráficos; mais especificamente aos gráficos dos índices americanos. Falaremos um pouco do Brasil.

Acima, temos um gráfico mensal, escala logarítmica, para o Dow Jones e o SP500.

 - Praticamente os 2 índices alcançaram ao longo da semana , 2 faixas importantíssimas; para o DOW JONES, 12.750, e para o SP500 , 1.313. Coloquei o gráfico do Dow Jones em linha mesmo, para ressaltar o quanto a região de 12.750/12.800 configura-se como "determinante".

- A faixa de 12.750/12.800 para o Dow Jones o coloca praticamente numa formação de topo duplo no mensal com divergência baixista de histograma e MACD (essa divergência não seria modificada mesmo tocando os 12.870 do ano passado).

- o SP500 não apresenta um topo duplo, mas praticamente um toque na LTB de longo prazo na escala mensal que vem desde o topo em 2007.

- Os 2 índices de volatilidade, o VIX, do SP500, e o VXD , do Dow Jones aceleraram um movimento de queda nos últimos 3 dias, batendo nas suas LTB's e voltando rapidamente para dentro delas. Tal movimento vem escancarando uma divergência altista no diário de Histograma e IFR14 para o VIX.
Romperam impostantes suportes, porém também rapidamente, vieram testar seus respectivos suportes adiantes, de 17,50/18 para o VIX e 16/16,50 para o VXD.

- Para o índice Bovespa, do Brasil, depois de rompidos os 60 k, um canal de alta de curto-médio prazo pode estar em formação. Por outro lado, a região entre 60 k e 66 k é muito "confusa" , várias pequenas resistências ao longo do caminho, 62.500/64 k/ 66 k.





quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

SP500 Semanal e VIX diário




As divergências altistas de histograma e IFR14 no gráfico diário  do VIX continuam cada vez mais fortes. Hoje o índice testou pontos abaixo de um suporte fortissimo que é a faixa de 20, inclusive fehcando abaixo dela, o que é um péssimo sinal para os Bears se amanhá não voltar rapidamente pra faixa acima.

Vejam a queda forte de volume nesse rally de alta do SP500 dos últimos 3 meses.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Índice CRB Commodities - LTB Semanal intocável



Vejam acima o comportamento do principal índice de commodities, o CRB.

Temos uma LTB com início em março/2011 que vem sendo respeitada, mostrando extrema fraqueza do índice.
Importantíssimo divisor passa a ser a faixa de 290, que uma vez perfurada, poderá levar o índice pra faixa de 260.


Divergência baixista forte no gráfico do petróleo Light Cruide



Acima, o gráfico do Light Crude Oil, com um topo duplo com forte divergência baixista de IFR14 e MACD no gráfico diario, escala logarítmica.
Vejam que ontem o índice ainda fechou dentro da LTA de curto-médio prazo.


terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Dow Jones não tem mais pra onde "correr"









Dow Jones chega no limite da cunha no gráfico diário.

Vix e VXD fecharam praticamente em cima de suas LTB'S de curto prazo.

Coloquei também um gráfico semanal do SP500 com uma LTB, considerando a sombra dos candles.

Os próximos 3-4 dias muito provavelmente serão de queda acentuada.

Não está claro o tamanho da queda.

Vale rever meu raciocínio/especulação acerca desse próximo movimento aqui no post de sábado último: http://pracompraroupravender.blogspot.com/2012/01/venda-perfeita-pode-estar-nossa-frente.html