quarta-feira, 24 de maio de 2017

Forte repique em andamento do IBOV desde o fundo nos 60.000 da semana passada.....Hoje, IBOV toca faixa importante, faixa de 64.000, próxima a MA50

Forte repique em andamento do IBOV desde o fundo nos 60.000 da semana passada.....Hoje, IBOV toca faixa importante, faixa de 64.000, próxima a MA50

MA50 abaixo em linha amarela

Também bem próximo a linha de retorno da LTA perdida da semana passada

Resistências a frente agora em 64.000, 64.500 e 65.300
Suportes em 63.000, 62.500, 62.000, 61.000 e 60.000

IBOV, Diario, escala logarítmica






E o índice "XLF" (índice setor financeiro americano) monta uma figura perigosa chamada "OCO", com 2 regiões a serem vistas.....23,70 pra cima e 22,50 pra baixo......

E o índice  "XLF" (índice setor financeiro americano) monta uma figura perigosa chamada "OCO", com 2 regiões a serem vistas.....23,70 pra cima e 22,50 pra baixo......

XLF, Diário, escala logarítmica




XLF, Diário, escala logarítmica







terça-feira, 23 de maio de 2017

"A responsabilidade da imprensa" , por Jornal "O Estado de São Paulo" de hoje

"A responsabilidade da imprensa" , por Jornal "O Estado de São Paulo" de hoje

http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,a-responsabilidade-da-imprensa,70001806429


A responsabilidade da imprensa

Não é de hoje que os procuradores usam a imprensa para disseminar acusações que, uma vez veiculadas, ganham ares de condenação

O Estado de S.Paulo
23 Maio 2017 | 03h05
A tarefa primária da imprensa consiste em fornecer ao leitor informações que lhe permitam formar opinião acerca do mundo em que vive. Da qualidade das informações processadas pelos jornalistas depende, em grande medida, a formação de consensos em torno do que é realmente melhor para o País, muitas vezes a despeito do que querem aqueles que estão no poder ou que lá querem chegar. O jornalismo que, por açodamento, se baseia no que está apenas na superfície e se contenta com o palavrório de autoridades para construir manchetes bombásticas se presta a ser caixa de ressonância de interesses particulares e corporativos, deixando de lado sua missão mais nobre – jogar luz onde os poderosos pretendem que haja sombras.

No dramático episódio das denúncias contra o presidente Michel Temer, feitas pela Procuradoria-Geral da República com base em delação dos empresários Joesley e Wesley Batista, ficou claro, mais uma vez, que o Ministério Público sabe como explorar a ânsia dos jornalistas pela informação de grande impacto.

Não é de hoje que os procuradores usam a imprensa para disseminar acusações que, uma vez veiculadas, ganham ares de condenação. É evidente que a imprensa não pode ignorar denúncias graves emanadas do Ministério Público, ainda mais quando envolvem autoridades de primeiríssimo escalão, mas a história ensina que muitas vezes as acusações não têm fundamento, resultando em danos irreparáveis para os acusados.

Outro sintoma de que a imprensa se deixa levar pela sofreguidão do Ministério Público é que as manchetes e os noticiários estão reproduzindo a própria linguagem dos procuradores e dos delatores, que vêm tratando todo tipo de pagamento de empresários a partidos e políticos como “propina”, quando muitas vezes se trata de mera doação eleitoral. Assim, quase todos os políticos que em algum momento receberam dinheiro de empresas são, por definição, arrolados como corruptos – e então confirma-se a tese do Ministério Público de que o mundo político está podre.

Atribuir as denúncias ao Ministério Público não é o bastante, do ponto de vista ético, para isentar a imprensa de responsabilidade por esses danos, pois são os jornais que decidem dar ou não dar destaque a acusações que ainda carecem de confirmação, especialmente quando o que está em jogo é a estabilidade do País.

No caso específico que envolve Michel Temer, está claro, hoje, que as primeiras manchetes a respeito da delação dos irmãos Batista – segundo as quais o presidente teria dado aval ao pagamento de propina ao deputado cassado Eduardo Cunha para que ele continuasse em silêncio – estavam imprecisas. A interpretação mais danosa a Temer – a de que teria havido “anuência do presidente da República” ao pagamento de suborno a Cunha – foi feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, conforme se lê na avaliação que ele fez do diálogo entre o presidente e Joesley Batista.

Foi essa avaliação que pautou a imprensa. Nenhum jornalista teve acesso às gravações feitas por Joesley senão alguns dias depois. Nesse intervalo de tempo, a pergunta óbvia – é possível confiar cegamente no que diz o Ministério Público? – não foi feita. Tampouco se questionou que objetivos poderiam ter os vazadores do conteúdo de uma delação que deveria estar sob sigilo. Considerou-se que a versão de Janot bastava para incriminar o presidente da República.

Quando a imprensa enfim obteve a íntegra da gravação, os jornalistas puderam constatar que a interpretação de Janot era excessivamente subjetiva. Mas então o estrago político já estava consumado e o maior prejudicado não era Temer, mas o País, que precisava de estabilidade para a recuperação da economia. É um estrago grande e talvez irreversível, em certa medida.

É justamente em momentos tão graves como esses que o País e suas instituições – a imprensa entre elas – devem fazer profundas reflexões sobre a responsabilidade de cada um. Já temos crises em abundância. Não há necessidade de que se fabriquem mais.







quinta-feira, 18 de maio de 2017

Vamos a alguns números da carnificina de hoje e o que ela representa....volume negociado de alguns papéis importantes.....PETR4...142 milhões de papéis....ITUB4 ...69 milhões....BBDC4...50 milhões.....BBAS3...32 milhões....cada papel desse negociou aproximadamente 3 vezes mais do que o máximo girado de cada papel nos últimos 3-4-5 anos.....na média, chega a bater algo em torno de 4,5 vezes mais do que a média......

Vamos a alguns números da carnificina de hoje e o que ela representa....volume negociado de alguns papéis importantes.....PETR4...142 milhões de papéis....ITUB4 ...69 milhões....BBDC4...50 milhões.....BBAS3...32 milhões....cada papel desse negociou aproximadamente 3 vezes mais do que o máximo girado de cada papel nos últimos 3-4-5 anos.....na média, chega a bater algo em torno de 4,5 vezes mais do que a média.....

É óbvio que vem mais massacre adiante






Queda do índice "EWZ", o "Bovespa operado pelos estrangeiros", no Pré-Market em Nova York é de 15,97%......ADR Petrobrás cai nesse momento 19,3%

Queda do índice "EWZ", o "Bovespa operado pelos estrangeiros", no Pré-Market em Nova York é de 15,97%......ADR Petrobrás cai nesse momento 19,3%

Tela do índice EWZ





quarta-feira, 17 de maio de 2017

Muitos já tiveram acesso as últimas notícias sobre as gravações ou supostas gravações sobre o Presidente Michel Temer.....porém, vamos apenas aos fatos das últimas 2 horas...o índice "EWZ", o "Bovespa operado pelos estrangeiros", teve uma queda de 11,3% durante o "after market" em Nova York...ou seja....pegou no final a notícia das gravações

Muitos já tiveram acesso as últimas notícias sobre as gravações ou supostas gravações sobre o Presidente Michel Temer.....porém, vamos apenas aos fatos das últimas 2 horas...o índice "EWZ", o "Bovespa operado pelos estrangeiros", teve uma queda de 11,3% durante o "after market" em Nova York...ou seja....pegou no final a notícia das gravações

Sim

Não escrevi errado...

Queda de 11,3%....isso depois de cair 3,2% no dia de hoje

Abaixo, a tela com a queda no after market...depois, o gráfico já com o fechamento do dia de hoje











domingo, 14 de maio de 2017

"Retomada de imóveis financiados cresce 80% e bate recorde em um ano", por Jornal "Extra"

Notícia completa aqui: http://extra.globo.com/noticias/economia/retomada-de-imoveis-financiados-cresce-80-bate-recorde-em-um-ano-21333515.html

14/05/17 07:00
Retomada de imóveis financiados cresce 80% e bate recorde em um ano

O atraso no pagamento das prestações de financiamento tem feito muitos mutuários perderem seus imóveis. O número de retomadas saltou 80,9%, em um ano, somente na Caixa Econômica Federal, que controla cerca de 70% do crédito imobiliário do país. Segundo o banco, em 2015, foram retomados 8.775 imóveis. Já no ano passado, o número passou para 15.881. Em dois anos, 26,6 mil pessoas perderam suas casas. Na prática, com três meses de mensalidades em atraso, o banco pode emitir uma notificação e em até seis meses o bem pode ser leiloado.

— O banco não precisa iniciar um processo judicial para retomar o imóvel, quando se trata de alienação fiduciária. Por isso, ao primeiro sinal de que não vai conseguir fazer o pagamento em dia, é preciso correr e pedir uma renegociação — explica Lízia Jacintho, presidente da Associação de Mutuários (AmuRio).

De acordo com dados do Banco Central, mais de 233 mil contratos de financiamento estavam com três mensalidades em atraso, em março. O engenheiro Almir Carvalho, de 62 anos, tinha uma situação econômica confortável quando assinou contrato de 25 anos para financiar a casa. O pagamento foi feito em dia por 10 anos, mas com a aposentadoria sua renda caiu 20%, e ele atrasou quatro parcelas.

— Fiz um esforço para pagar o atrasado. O próprio gerente da Caixa orienta para evitar a perda do imóvel e todo investimento que fez até ali, ainda que tenha que vender o imóvel ou fazer uma troca — disse Almir.

O aumento da inadimplência foi acompanhado pelo volume 9,2% menor de crédito, em março, segundo a Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip). Em 12 meses, o recuo é de 26,7%.






sexta-feira, 12 de maio de 2017

Índice "EWZ", o "Bovespa operado pelos estrangeiros", confirma o rompimento da congestão 36,00-38,50, fecha a 38,96 e busca 41,00

Índice "EWZ", o "Bovespa operado pelos estrangeiros", confirma o rompimento da congestão 36,00-38,50, fecha a 38,96 e busca 41,00

Índice "EWZ", diário






quarta-feira, 10 de maio de 2017

"TED", o "Spread entre a taxa libor de 3 meses e os títulos do tesouro americano de 3 meses", cai mais 7% e afunda para a a faixa de 29 pontos-base

"TED", o "Spread entre a taxa libor de 3 meses e os títulos do tesouro americano de 3 meses", cai mais 7% e afunda para a a faixa de 29 pontos-base

TED representa uma das mais referências de risco no interbancário europeu




TED, Semanal, período 5 anos










Índice "EWZ", o "Bovespa operado pelos estrangeiros" , rompe a congestão 36,00-38,50 no fechamento de hoje

Índice "EWZ", o "Bovespa operado pelos estrangeiros" , rompe a congestão 36,00-38,50 no fechamento de hoje

Amanhã, confirmando o rompimento vai procurar direto a faixa de 41,00

EWZ, Diário, escala logarítmica